Siga-nos!

Internacional

Muçulmanos se juntam a gays contra cruzada de Franklin Graham

Ativistas querem evangelista “banido do Reino Unido por pregar ódio e intolerância”

Avatar

em

Franklin Graham
Publicidade

A principal organização muçulmana do Reino Unido acredita que o evangelista norte-americano Franklin Graham deve ter seu visto negado ao país por advogar “ódio” e “fanatismo”.

“As declarações de Graham demonstram claramente um ódio pelos muçulmanos e outras minorias”, afirmou em nota o Conselho Islâmico da Grã-Bretanha. “Esperamos que o governo aplique critérios duros. Se isso não acontecer, enviará uma mensagem clara de que não está combatendo consistentemente todas as formas de fanatismo.”

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

Políticos britânicos e até mesmo alguns líderes de igrejas demonstraram preocupações sobre a presença de Graham em um evento evangelístico na cidade de Blackpool entre os dias 21 e 23 de setembro. Em diferentes ocasiões, o evangelista criticou o Islã em seu discurso, sempre destacando os ataques terroristas em todo o mundo motivados pela religião.

Franklin, atual presidente da Associação Evangelística Billy Graham, fundada por seu pai, negou que sua pregação é de ódio contra muçulmanos ou quaisquer outras minorias.

“Eu não estou vindo para pregar o ódio, estou aqui para pregar sobre um salvador: Jesus Cristo, que pode fazer a diferença em nossas vidas se depositarmos nossa fé e confiança Nele”, disse Graham em entrevista. “Não estamos aqui para pregar contra ninguém, estamos aqui para falar sobre Deus”, afirmou.

Grupos LGBT também pedem cancelamento

Desde que foi anunciado, a cruzada provocou reação contrária de grupos LGBT. Em julho, a empresa de ônibus Blackpool Transport proibiu anúncios do Festival da Esperança, alegando que o pregador iria promover “ódio e homofobia” no evento.

Continua depois da Publicidade

A resposta de Graham, publicada no Facebook foi: “Posso assegurar que dezenas de milhares de pessoas em Blackpool e em todo o Reino Unido estão à procura de esperança. Sexo, drogas, dinheiro, até mesmo religião – nada disso é a resposta. Estou indo compartilhar com todos da Inglaterra que há Alguém que pode lhes dar esperança”, acrescentou Graham. “A esperança para hoje, para amanhã e para a eternidade, seu nome é Jesus Cristo!”

O pastor Ron Farrington, da igreja evangélica independente de Crossgate, explicou por que sua igreja não participará do evento. “Acredito que Franklin Graham virá pregar o Evangelho, mas muitas pessoas estão incomodadas com seus comentários [sobre gays e muçulmanos] e eu não apoio esses comentários.”

Estatisticamente, o cristianismo está em declínio no Reino Unido, que no século 19 foi o centro de evangelização mundial, tendo enviado missionários para muitos países. A postura das lideranças cristãs do país, que adotaram uma teologia liberal e cederam ao discurso do politicamente correto é, indubitavelmente, a maior responsável por esse declínio. Ao mesmo tempo, os islâmicos crescem e assumem posições na política, tendo eleito deputados e prefeitos de 29 cidades, incluindo a capital Londres. Com informações The Guardian

Publicidade