Siga-nos!

brasil

Médica de MG cria primeiro serviço de aborto por telemedicina

Profissional de saúde recorreu a recursos para ajudar na interrupção da gravidez.

Avatar

em

Helena Paro
Helena Paro (Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

O aborto no Brasil é permitido em apenas três casos: estupro, anencefalia e risco de vida da mãe, mas com a pandemia, uma ginecologista e obstetra chamada Helena Paro criou uma alternativa para ajudar mulheres.

A médica trabalha no Hospital das Clínicas de Uberlândia, e logo no início da pandemia, em março de 2020, a legalidade do aborto não foi considerada um serviço essencial, então decidiu buscar uma alternativa para continuar as consultas sem atender presencialmente.

O plano de Helena foi elaborar um projeto que pudesse fazer as interrupções de gravidez à distância, como fizeram no Reino Unido e nos Estados Unidos durante a quarentena.

A telemedicina no Brasil só foi aprovada por uma lei em abril de 2020, em maio a ginecologista apresentou a sua proposta, mas com as desconfianças do projeto só foi possível aprová-lo em agosto.

O serviço é oferecido pelo Núcleo de Atenção Integral a Vítimas de Agressão Sexual (Nuavidas), que faz parte da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Como funciona o serviço de aborto a distância

Um grupo de jurídicos do Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero Anis montam um protocolo para seguir a risca a legislação brasileira em relação ao aborto e saúde durante a pandemia, contou Helena.

A primeira consulta da paciente é presencial, além das médicas ela passa por psicólogos e assistentes sociais. Ela recebe três doses de um medicamento para indução da remoção da criança, recebendo todas as informações quanto aos efeitos colaterais e forma de uso.

A equipe médica fica disponível para atender as pacientes 24 horas em caso de emergência ou dúvidas, usando o WhatsApp para mandar orientações verbais e por escrito. Uma nova consulta remota é marcada depois da ingestão da medicação.

A ginecologista garantiu que o procedimento só é feito se tiver de acordo com as hipóteses legais da lei brasileira, e afirma que recebe muitos agradecimentos por parte das mulheres que atende, segundo reportou o UOL.

“O que faço hoje me dá a sensação de que estou cumprindo meu papel de médica por estar ao lado das mulheres, evitando que elas morram e as vendo renascer”, disse.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending