Siga-nos!

Opinião

Maia traidor da pátria

Sonho com o dia em que não teremos mais presidentes do Congresso envenenados e viciados no poder pelo poder.

Maycson Rodrigues

em

Rodrigo Maia. (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Sinceramente, já desisti de tentar entender o que se passa na cabeça do deputado federal Rodrigo Maia. Faltam-me adjetivos para este cidadão. Ele conseguiu assumir uma posição de antagonismo ao povo brasileiro que chega a ser impressionante. Fico pensando em como foi que ele conseguiu se reeleger.

Se bem que, quando o assunto é “eleição”, já sabemos bem como as coisas funcionam para ele. Foram 700 mil reais na última campanha política – dinheiro do trabalhador, pagador de impostos – para que o “articulador” continuasse por mais 4 anos fazendo o sistema continuar em plena operação. Vai gostar de dinheiro público assim lá em Brasília!

Políticos como Maia são a face da velha política. Pelo poder vale tudo, até mesmo trair o próprio eleitorado. Ele não mede esforços para lutar em favor da sua classe – o Centrão.

Que espírito público tem este homem? Duvido até que possua alma política. E o pior de tudo: é só mais um no meio de uma verdadeira casta de inimigos do povo que conseguiu a reeleição em 2018.

Para eles, faz todo o sentido aprovar um texto tão insano que dá mais 3 bilhões de reais aos partidos, indo contra o princípio da isonomia, da austeridade – tão enfatizada nas discussões em torno do texto da Nova Previdência – e que ainda avilta os direitos humanos.

Tal dinheiro poderia realizar 80% dos tratamentos de câncer no SUS. O Brasil está economicamente comprometido, tentando deixar de vez o estado de exceção, quando me vem um bando de irresponsáveis com a coisa pública e votam de forma debochada um texto que afronta a própria democracia brasileira, a mesma que não sai da boca do demagogo profissional Rodrigo Maia em suas entrevistas.

Ser democrata, principalmente no Brasil, é socializar o dinheiro dos outros em função da exigência pessoal de permanência no poder. Esses caras não querem mais nada a não ser alimentar os desejos gananciosos do próprio coração. A esquerda e o Centrão curiosamente concordam com essa proposição antiliberal. E há quem diga que o liberalismo econômico é o nosso maior problema.

Maia deveria aprender com os oito colegas de parlamento, do partido Novo, que não usaram dinheiro do povo para se elegerem. Ele precisa aprender a ter projetos que promovam o desenvolvimento nacional, e não essa maneira de pensar maquiavélica que só suga do mais pobre e em nada contribui para as viscerais transformações sociais que tanto ansiamos. Enquanto alguns parlamentares se elegem pelas ideias, outros enganadores ganham o acesso à cadeira por meio de perversidades que eles mesmos propõem e aprovam no Congresso.

Espero que o presidente Bolsonaro faça o que deve ser feito. Que ele possa vetar ou deixar caducar a aprovação do texto em tempo de não favorecer os aproveitadores que estão para disputar as cadeiras do legislativo e do executivo municipal no próximo ano.

E ainda sonho com o dia em que não teremos mais presidentes do Congresso envenenados e viciados no poder pelo poder. Que o povo também faça a sua parte, não reelegendo estes traidores da pátria.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes e dos homens da Betânia Igreja Batista (Sulacap - RJ) e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Publicidade