Siga-nos!

política

Lula defende aborto como “questão de saúde pública” ao criticar PL

Governo petista sinalizou que vai trabalhar contra projeto que pune abortos após 22 semanas de gestação.

em

Luiz Inácio Lula da Silva (Foto: Reprodução/YouTube)

O petista Luiz Inácio Lula da Silva usou as redes sociais para defender o aborto como “uma questão de saúde pública”, criticando o Projeto de Lei 1904/2024, que equipara o aborto realizado após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio simples, punindo a mulher com até 20 anos de prisão.

Destorcendo o objetivo do projeto, que visa punir o assassinato de bebês em ventre materno após o período de formação da criança, Lula classificou como “insanidade” a punição para quem comete esse tipo de crime.

O projeto, proposto por deputados da bancada evangélica, tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e prevê penas mais severas para abortos realizados após a 22ª semana de gestação, mesmo em casos de estupro, anencefalia fetal ou risco de vida para a mulher.

O governo Lula indicou que trabalhará para impedir a aprovação do projeto. O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou que o governo não apoiará mudanças na legislação atual sobre aborto e criticou a proposta como uma “barbaridade”. Ele ressaltou que o foco não deveria estar em projetos que promovam intolerância e beligerância.

Janja da Silva, companheira de Lula, também se manifestou nas redes sociais, criticando o projeto por atacar a dignidade das mulheres e meninas, e a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que se apresentava como evangélica, considerou a proposta desumana e desrespeitosa.

Com a aprovação do regime de urgência na Câmara, o projeto pode ser votado diretamente em plenário sem passar por comissões temáticas, mas enfrenta forte oposição do governo.

Trending