Siga-nos!

Sociedade

Líder indígena gay culpa evangélicos por “preconceito nas aldeias”

Ele afirma que evangélicos “têm ensinado aos indígenas como ter preconceito”.

em

Rogério Macena. (Foto: Arquivo pessoal)

Com 24 anos e homossexual assumido, o líder indígena Rogério Macena, de uma aldeia em São Vicente, no litoral de São Paulo, afirma sofrer “preconceito duplo” por ser indígena e gay.

“Já sofremos preconceito por sermos indígenas. Então imagina quando você também é gay. É sofrer um preconceito duplo”, afirma.

Ao G1, portal de notícias da Rede Globo, o jovem coloca a culpa nos evangélicos, afirmando que depois que o segmento entrou nas aldeias, os indígenas tem aprendido “como ter preconceito”. Ele afirma que as aldeias estão mais acostumadas a lidar e tentar entender, os evangélicos causaram um “êxodo” de indígenas LGBT.

Conhecido na Aldeia Paranapuã como Karaí Popyguá (nome indígena), o jovem afirma que nunca teve problemas em relação a sua família, mas que existem outros gays nas aldeias que não se assumem por medo, insegurança ou vergonha.

O índio afirma que dentro das aldeias existe a definição de que os gays “atrasam” o crescimento das comunidades indígenas por não poderem se reproduzir.

Este conceito é semelhante a visão do cristianismo, que entende que Deus criou homem e mulher para juntos constituírem família.

“Dentro da aldeia, já ouvi que sou anormal e fora dela já cheguei até a ouvir que sou possuído. Para os pajés, que são líderes espirituais, homossexuais não existiam anos atrás”, explica.

Rogério Macena diz que irá lutar contra o que chama de ações políticas e religiosas que possam prejudicar o seu povo.

Publicidade