Siga-nos!

Mundo Cristão

Justiça derruba liminar que proibia cultos em SP

Desembargador diz que “decisões isoladas têm potencial de promover desorganização”.

Neto Gregório

em

Templo de Salomão, sede da Igreja Universal do Reino de Deus (Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas)

O desembargador Geraldo Pinheiro Franco, presidente do TJ-SP, derrubou a liminar de primeira instância que proibia atos religiosos no estado de São Paulo por conta da pandemia de Covid-19, novo coronavírus.

Em sua decisão, o desembargador destacou que estado e o município de São Paulo estão adotando estratégias para ajudar no combate do vírus chinês, mas que decisões isoladas como a proibição de atos religiosos podem resultar em uma desorganização administrativa.

“Oportuno destacar que, ao determinar fiscalização, fechamento de templos e casas religiosas, além de impor sanções, a decisão judicial— ainda que com a maior das boas intenções— invadiu o mérito do ato administrativo, quando está autorizado a apreciar os atos da Administração exclusivamente sob os aspectos formais de validade e eficácia”, destacou Franco.

“Encontro plenamente justificada a suspensão da liminar, uma vez que da decisão judicial constam determinações severas, de natureza tipicamente administrativa, que devem ser pautadas pelos critérios de conveniência e oportunidade da Administração, insubstituível por comando judicial, no sentido da organização dos serviços públicos tecnicamente adequados a cada caso”, apontou.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE