Siga-nos!

Internacional

Judeus messiânicos pedem anexação da Judeia e Samaria: “É profético”

Para eles a anexação das duas cidades seria o cumprimento de uma promessa bíblica

em

Região de Samaria. (Foto: Patrick Jayne Thomas & Miss Kitty)

A Aliança para a Advocacia de Israel (AIA), um grupo de judeus messiânicos sediado em Washington (EUA), elogiou o governo Trump por avançar no assunto da anexação da Judeia e Samaria.

O grupo, dirigido por Joel Chernoff, elogiou um posicionamento do embaixador dos EUA em Israel por dizer que é direito do país anexar partes da Cisjordânia. Chernoff acredita que essa anexação seria o cumprimento de uma profecia.

“O embaixador David Friedman foi ousado e correto em sua afirmação: Israel tem o direito de anexar pelo menos parte da Cisjordânia. Para milhões de cristãos evangélicos e não poucos cidadãos americanos judeus, a questão da Judeia e Samaria é bíblica e profética. Muitos milhões acreditam que o retorno de Israel à sua terra é um milagre moderno e o cumprimento de muitas profecias sobre Israel encontradas nas Escrituras. Se isso não bastasse, também é verdade que é uma questão de justiça e justiça”.

Para justificar essa visão ela cita trechos de Gn 17: 20-21 sobre as 12 tribos que se tornariam grandes nações e que não apenas os filhos de Israel, mas também de Ismael (pai dos árabes) formariam esses povos.

“Deus cumpriu amplamente essa promessa e hoje nossos primos árabes compreendem 23 nações, 10 milhões de milhas quadradas e mais de 350 milhões de pessoas”, declarou ele segundo o Israel Today.

Ainda segundo o diretor da AIA, Deus prometeu aos filhos de Abraão, Isaque e Jacó, o povo judeu, uma pequena nação com suas fronteiras claramente descritas nas Escrituras: “Essa nação, Israel, tem apenas 10.000 milhas quadradas e hoje compreende apenas 8 milhões de pessoas. Nós enfatizamos aos nossos primos árabes que é injusto querer não apenas toda a bênção que Deus concedeu abundantemente a eles, mas também a pequena concessão de terras que Deus deu aos filhos de Abraão, Isaque e Jacó”.

Chernoff entende que os líderes árabes querem ter 24 nações, tirando Israel dos judeus. À medida que mais e mais do nosso povo judeu retornam a Israel, muitos sob a pressão do crescente anti-semitismo e anti-israelismo, está se tornando uma questão urgente que Israel seja restaurado para toda a sua terra original prometida por Deus descrita em Escritura”.

Diante desses fatos, os judeus messiânicos pedem ao governo de Donald Trump que continue defendendo Israel e essa posição de unir a Judeia com a Samaria.

Publicidade