Siga-nos!

Opinião

Jesus é indomável

Não é de hoje que alguém tenta domesticar o Leão da Tribo de Judá

Maycson Rodrigues

em

"Jesus" da Mangueira. (Foto: Gabriel Nascimento / Riotur / Fotos Públicas)

R.C. Sproul disse certa vez que todas as heresias (falsas doutrinas) possuem origem cristológica, ou seja, nascem da doutrina acerca da natureza e obra de Cristo. Não é de hoje que a Igreja do Senhor precisa lidar com os falsos mestres, que procurar ensinar o que Paulo denominou de “outro evangelho”.

Há quem diga que Jesus é Deus e não é homem. Os autores desta heresia são chamados de docetistas ou marcionitas; eles afirmavam que o corpo de Jesus Cristo era uma ilusão, e que sua crucificação teria sido apenas aparente. O pensamento dualista gnóstico norteia a mente destes falsos cristãos.

Há também quem afirme que Jesus é homem, mas não é Deus. Estes nós conhecemos como humanitarianos; eles afirmavam [e ainda afirmam] que Jesus era originariamente um mero homem, sendo elevado a uma posição superior no batismo, quando recebeu o poder (“du/nami”) do céu. Assim, Jesus para eles se tornou um depositário da divindade, de modo que não podia ser considerado essencialmente divino.

Não é de hoje que alguém tenta domesticar o Leão da Tribo de Judá. Contudo, todos que se engajaram neste empreendimento teológico, faliram. Outra ponderação importante é que este tipo de ambição não cessará no coração humano, que é mau. Temos de nos acostumar com os “haters de Jesus”, que sempre farão esforços para fazê-lo caber em sua caixinha teológica, ideológica ou política. E alguns deles lutarão contra o Rei achando que estão militando por sua causa.

Jesus só veio para os pobres? Só quer empoderar a mulher? Ele odeia o capital e ama políticas públicas redentivas? Jesus é um revolucionário subversivo que só anda com pecadores e despreza religiosos?

Não, caro leitor. Jesus veio especialmente para os pobres, mas também veio para resgatar ricos. Ele quer empoderar a mulher e o homem, pois ambos caíram no Éden e, sem a sua mediação, são ambos indignos na presença de Deus. Cristo não tem problema com o capital – a não ser com a ganância dos poderosos que o detém –; entretanto, jamais terceirizará a redenção humana colocando nos ombros de políticos a responsabilidade de erradicar o sofrimento e todas as injustiças. E mais: ainda que Jesus tenha andado e comido com pecadores, isso nunca lhe impediu de dizer a eles: “vá e não peques mais”.

Jesus veio para todas as gentes, de todas as classes sociais, todas as cores e todos os sexos, de todas as etnias e nunca poderá ser impedido ou controlado por nenhum teólogo ou cristão, seja de linha progressista ou conservadora. Ele não é o “Messias com arma na mão”, mas também não é a “mulher morta pela PM”. Ele não é “negro” ou “branco do leste europeu”. Ele não faz o joguinho sujo da política com nenhum militante e não se dobra a nenhum pensamento do humano caído. Ele é o que é: Jesus Cristo, o Senhor.

Não tente domar o Deus que morreu como um Cordeiro, mas ressuscitou como um Leão. Ele é verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, aquele que pode salvar e condenar, o único vencedor sobre o pecado e a morte. Ele é TUDO em todo aquele que nele confia para a salvação. O rei soberano que vindicará a sua glória sobre o mundo. E este dia está chegando…

Jesus é indomável. Não adianta recalcitrar contra os aguilhões.

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes da Betânia Igreja Batista (Sulacap - RJ), na juventude da PIB de Vilar Carioca e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE