Siga-nos!

Política

Istoé chama chefe da Secom de Goebbels e será processada por entidades judaicas

Fábio Wajngarten, secretário da Secretária de Comunicação do Governo, é judeu.

Neto Gregório

em

Fábio Wajngarten. (Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil)

Em matéria de capa e tentando criar um perfil de Fábio Wanjgarten, diretor da Secom, a revista Istoé o comparou a Joseph Goebbels, chefe do departamento de propaganda nazista de Adolf Hitler.

A reportagem mostra desagrado com a diminuição de publicidade estatal em veículos tradicionais da grande mídia. Repete o mantra esquerdista e chama de “fascismo” a economia que o governo vem fazendo nessa área.

A visão da publicação parece querer obrigar que o governo sustente empresas privadas de comunicação. Cita também uma suposta “manipulação da comunidade judaica”, comandada por Wanjgarten, na verba estatal – que nem deveria existir, para veículos alinhados ao governo.

Em reação à matéria, a Confederação Israelita do Brasil (Conib) e a Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) emitiram uma nota onde chamam o texto de antissemita e anuncia um processo criminal contra a Istoé.

“O texto comparando um membro de nossa comunidade ao carrasco nazista e montando um quadro ilustrativo intitulado ‘a manipulação da colônia judaica’ ultrapassou a barreira do jornalismo ético e informativo que todos nós prezamos enquanto brasileiro”, afirmam as duas organizações em nota conjunta.

Publicidade