Siga-nos!

igreja

Igreja se divide em 2.400 pequenos grupos para adorar nas casas

Cultos domésticos viram opção devido ao isolamento social.

Michael Caceres

em

Pequeno grupo da Summit Church (Divulgação/Summit Church)

Membros da Summit Church, em Duham, na Carolina do Norte, decidiram se dividir em pequenos grupos para promover cultos domésticos para adorar nas casas. Antes da pandemia, a igreja costumava promover os pequenos grupos semanalmente.

O casal Mike e Rachel Rapcz dizem que adoravam no templo aos domingos e recebiam um pequeno grupo todas às segundas-feira em sua casa, antes de o pequeno grupo passar a ser o principal vínculo na Summit Church. “Tudo mudou durante a pandemia”, diz Mike Rapacz ao Baptist Press.

Atualmente, o grupo se reúne na casa de Mike para assistir a transmissão dos cultos aos domingos, quando aproveitam a ocasião para se aprofundarem no estudo da Bíblia, orarem e compartilharem alguma refeição, confraternizando no quintal da residência.

Enquanto os adultos compartilha a , os 19 filhos dos oito casais envolvidos no pequeno grupo estão sendo discipulados em quatro casas na mesma rua, separados em duas faixas etárias, sendo liderados por voluntários do ministério infantil.

2.400 pequenos grupos

O pastor J.D. Greear, líder da Summit Church, lembra que no resto do ano a rotina dos 12.000 membros da igreja será se reunir entre os mais de 2.400 pequenos grupos. Essa foi a decisão tomada devido à pandemia do coronavírus, estabelecendo as já conhecidas “igrejas domésticas”.

“Não estar reunidos para adorar nos fins de semana não significa que ainda não podemos nos reunir”, disse o pastor Greear. “Vamos equipá-los para se reunirem em igrejas domésticas — pequenos grupos de pessoas que se reúnem nas casas, de acordo com o que as autoridades consideram seguro, em termos de regulamentos e tamanho do grupo”, continuou.

Um dos pastores da igreja lembra que apesar de a iniciativa ser temporária, muito do que estão vivendo agora é semelhante ao que a viveram os primeiros cristãos em Atos dos Apóstolos. Os cultos domésticos também foram uma estratégia para os pioneiros da Igreja em diversos países.

“Por exemplo, no meu pequeno grupo, estamos nos reunindo nas manhãs de domingo, para adorar junto com o resto da Summit durante os cultos e, em seguida, fazemos uma refeição juntos e dedicamos um tempo à oração”, conta.

Novas estratégias

A Summit diz que já se prepara para capacitar os líderes para incorporar batismos ao ar livre e reuniões de oração que se apliquem ao novo momento que vive o mundo devido a Covid-19. Na Carolina do Norte o governo permite reuniões limitadas com até 10 pessoas em ambientes fechados e 25 pessoas ao ar livre.

Peter Park, outro pastor auxiliar da igreja, acredita que manter a conexão com os fiéis é um dos maiores desafios que da pandemia. Ele  afirma ainda que muitos já estão cansados de serem discipulados pela internet, valiando que existe uma “fatiga do Zoom”.

“Sentimos muita falta de estar um com o outro, mas a grande maioria entende que este é um tempo único”, disse Peter. “Eu acredito que a missão de fazer discípulos irá continuar de novas maneiras e a igreja virá mais forte por causa desta temporada”.

Trending