Siga-nos!

Mundo Cristão

Grupo de ex-gays renasce na Califórnia em meio a proibições de terapias de reversão

Através do grupo “Changed Is Possible” os pastores Elizabeth Woning e Ken Williams mostram que é possível deixar a homossexualidade

em

Grupo de ex-gays da Bethel Church. (Foto: Cortesia)

Com a campanha “Changed Is Possible”, os pastores Elizabeth Woning e Ken Williams estão divulgando a mensagem de que é possível sim mudar de orientação sexual e eles usam seus próprios testemunhos para provar essa transformação

Woning e Williams – ela já se considerou lésbica e ele se considerou gay – lançaram uma “comunidade de amigos” ex-gays e usam um site para contar histórias como a deles dos chamados #oncegay.

Como pastores da Bethel Church, uma mega-igreja de Redding, Califórnia, eles se casaram com pessoas do sexo oposto e, mesmo trabalhando com ex-gays, eles negam a chamada “terapia de conversão” e dizem que não têm nenhum programa ou currículo específico para essa mudança.

Eles não oferecem terapia, dizem eles, mas testemunho. Nem são conselheiros licenciados – mas disseram que se encontrarão com pessoas que desejam se tornar heterossexuais para oferecer discipulado e oração.

O programa Changed Is Possible aparece em um momento delicado nos EUA: 18 estados norte-americanos proibiram a chamada terapia de conversão para menores e a Califórnia foi a primeira e continua a ser a líder no esforço de expandir a proibição, principalmente agora com um importante líder cristão ex-gay declarar que continua mantendo um caso com uma pessoa do mesmo sexo.

No mês passado, o The Post and Courier de Charleston, Carolina do Sul, publicou uma história sobre o ex-pioneiro gay McKrae Game, que se tornou gay depois de 27 anos negando sua homossexualidade.

Game, 51, fundou e liderou o Hope for Wholeness , um ministério ex-gay de Spartanburg, Carolina do Sul, até ser demitido em 2017. Ele é apenas o mais recente de uma longa série de ex-líderes gays que negam que um dia foram transformados.

Williams é co-fundador da Changed e reconhece que sua atração por homens não desapareceu totalmente, mas que hoje é “quase” nenhuma. “É uma fração”, disse ele. “Haverá estações em que não haverá nenhuma”, declarou ele ao Religion News.

Ele e Woning disseram que também apoiam os cristãos que decidem que preferem o celibato, acreditando que a Bíblia permite e até incentiva aqueles que querem evitar o pecado sexual através da abstinência.

Publicidade