Siga-nos!

Mundo Cristão

Grávida de bebê anencéfalo não aceitou abortar: “Estávamos fazendo a vontade de Deus”

Casal resolveu levar a gestação até o final e o bebê viveu por 47 minutos.

em

Mariana Torres Roveda. (Foto: Reprodução / Youtube - Legado TV)

Em janeiro de 2014 Mariana Torres Roveda e seu esposo, Denis, descobriram que teriam um segundo bebê e a notícia deixou todos felizes e animados. Mas durante o exame de ultrassonografia da 13ª semana de gestação, o médico revelou que o bebê tinha uma má formação no cérebro.

“A médica falou: ‘infelizmente o bebê tem um problema, ele não formou a calota craniana e não tem tratamento, é uma má formação que não é compatível com a vida. Vou fazer um laudo para você levar ao Ministério Público e interromper esta gestação'”, relembra.

Mariana contou que ela e seu esposo tinham alguns meses de convertidos e resolveram que ela não faria o aborto. Em entrevista ao Gospel Prime, ela revela o motivo para escolherem levar a gravidez a diante: “Jesus Cristo, e a certeza de que estávamos fazendo a vontade de Deus”.

O médico que acompanhou seu pré-natal também aconselhou a interrupção da gravidez, uma vez que a legislação brasileira autoriza o procedimento para casos como o dela, quando o bebê não tem cérebro.

Alguns familiares do casal também o aconselharam a fazer o aborto, mesmo assim eles negligenciaram esses conselhos e seguiram com a gravidez.

O momento mais difícil na gestação do Davi, nome escolhido após descobrirem que era um menino, foi o último trimestre.

“Nas últimas semanas eu clamava muito a Deus para que me permitisse ficar com Davi, eu sabia que nosso tempo com ele estava se aproximando do fim”, diz Mariana que não teve complicações durante a gestação.

“A fé foi o que nos manteve de pé durante todo esse tempo, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, sentimos Deus a todo instante conosco”, relatou.

O Davi nasceu e sobreviveu por 47 minutos e ela pode conhecê-lo. “Foi o nosso primeiro encontro e a nossa despedida. Eu liberei ele pra Deus, para que Deus pudesse recolhê-lo e foi um processo muito natural, com o coração parando de bater. Em nenhum momento eu me arrependi”, disse.

“Depois do Davi, tivemos mais três gestações, destas 3, 2 eu perdi nas primeiras semanas e atualmente estou grávida de 7 meses, pra honra e glória do Senhor, de mais um menino chamado Yohan que significa Deus é bondoso, ele se formou com perfeição e a gestação segue normalmente”, completou Mariana.

Publicidade