Siga-nos!

Internacional

Governo da Uganda fecha 12 mil igrejas e ONGs religiosas

Padre ministro diz que nova política visa impedir exploração da fé.

em

No mês de novembro 12 mil igrejas e organização não-governamentais (ONGs) religiosas foram fechadas pelo governo da Uganda após o fim do prazo de um programa de treinamento para se ter um registro formal para atuar no país.

As instituições consideradas “inativas” ou “não autorizadas” foram fechadas justamente no momento em que o Born Again Christians in Uganda, entidade que reúne algumas igrejas cristãs, tenta reverter essa obrigação do governo de treinar os pastores.

Cerca de 84% do país é cristão , com a maioria católica romana ou anglicana. As igrejas evangélicas e pentecostais têm mais dificuldade de se registrar porque não têm estrutura denominacional ou são menores.

Em Uganda, o governo exige que as igrejas se registrem, primeiro como empresas no Departamento de Registro de Serviços de Uganda (USRB) e depois no Conselho de ONGs do governo.

Obiga Kania, ministro de Assuntos Internos de Uganda, disse à imprensa em uma entrevista coletiva em 13 de novembro que todas as ONGs que não aparecem no registro validado devem parar de funcionar imediatamente.

Das 14.027 ONGs registradas no Uganda, Kania disse que apenas 2.119 foram validadas e emitiram permissões. Kania também disse que apenas 27% das organizações tinham licenças válidas antes da nova validação.

Kania pediu à polícia, à gerência de hotéis e à Autoridade de Inteligência Financeira para garantir que as organizações não validadas não realizem negócios em nenhum lugar do país.

Muitas igrejas continuaram hospedando oração e adoração, sem saber o seu destino, segundo informações do Religion Unplugged.

Anteriormente, as igrejas eram obrigadas a se registrar apenas uma vez, no URSB. Há confusão sobre a necessidade ou legalidade das igrejas se registrando como ONGs também.

David Kiganda, do Christianity Focus Center, disse que as igrejas não devem se registrar como ONGs.

“Isso poderia explicar por que muitas das igrejas, incluindo aquelas que haviam se registrado anteriormente sob a Lei das ONGs, não foram ao exercício de validação”, disse ele.

Os líderes da Igreja se opuseram ao requisito, argumentando que ele viola sua liberdade religiosa de adorar.

“Nosso governo diz que nos deu a liberdade de adorar, mas agora está violando”, disse Solomon Male, do grupo evangélico, Comitê Nacional de Cultos e Falsos Ensinamentos em Uganda. “Você não pode licenciar crenças de pessoas. É como pedir às pessoas que plantam árvores que se registrem. Nosso mandato vem de Deus, não do homem”.

O artigo 29 da constituição de Uganda garante a liberdade de praticar qualquer religião e o direito de pertencer e participar das práticas de qualquer órgão ou organização religiosa de maneira consistente com o restante da constituição.

O governo é especialmente cauteloso com relação ao potencial de corrupção nas igrejas que recebem apoio financeiro de países estrangeiros para financiar o trabalho de caridade entre órfãos, viúvas e crianças de rua.

A pessoa que registra a ONG precisa de uma carta escrita pelo conselho local, um presidente de sua aldeia e selos de outros líderes do governo local – um processo caro. A maioria desses escritórios exige suborno para escrever e carimbar a carta.

O site Religion Unplugged cita também o pagamento de cerca de 10 dólares pelo registro da organização e outros burocracias que dificultam o procedimento.

Lei contra igrejas evangélicas

O governo diz que a Política Nacional de Organizações Religiosas e Religiosas (R & FBOs) visa reforçar a transparência e a responsabilidade financeira em instituições religiosas.

A nova política está sob controle do ministro de ética de Uganda, o padre Simon Lokodo, que já afirmou que o objetivo de sua política é impedir os líderes religiosos que estão explorando suas congregações.

A maioria dos líderes evangélicos do país rejeitou fortemente a política, alegando que ela viola seus direitos e liberdades de praticar sua fé e pertencer a qualquer seita religiosa, reconhecida ou não pelo governo.

Publicidade