Siga-nos!

Ciência & Saúde

Genética mostra que milhares de latinos-americanos são descendentes de judeus

23% dos participantes deste estudo têm DNA de judeus sefarditas, isso é, judeus que foram obrigados a se converterem ao catolicismo

Publicado

em

Judeus ultra-ortodoxos
Judeus ultra-ortodoxos. (Foto: Helayne Seidman)
Publicidade

Segundo um estudo de DNA feito com milhares de pessoas da América Latina, muitos judeus chegaram no continente americano e deixaram sua marca genética entre os latinos.

A história dizia que em 1492, os reis da Espanha Isabel de Castilha e Fernando de Aragão expulsaram os judeus do reino e deixaram apenas os que aceitaram se converter ao catolicismo. Os judeus, até mesmo os convertidos, não poderiam nem mesmo serem enviados às colônias da América.

Apesar da proibição, o estudo realizado pelo especialista em genética populacional  Juan Camillo Chacón Duque mostra que “a população da América Latina apresenta uma maior afinidade com o perfil genético dos judeus sefarditas que os espanhóis”.

Publicado na revista científica Nature Communications, o estudo diz que 23% dos latino-americanos que tiveram o DNA analisados têm como ancestrais judeus que, na época da inquisição, se converteram ao cristianismo.

“Esse resultado sugere que houve uma migração significativa de pessoas com esse perfil genético para a América Latina”, diz Chacón Duque da University College London, no Reino Unido.

A explicação do pesquisador colombiano é que “muitos judeus conversos conseguiram viajar para a América Latia na época da colonização e disseminaram essa genética”.

Publicidade

A pesquisa foi feita com 6,5 mil pessoas dos países Brasil, Colômbia, Chile, México e Peru. Por ser uma amostragem pequena, o pesquisador não acha possível generalizar a amostragem. “A população da América Latina é muito diversa quanto aos processos de miscigenação e, em cada região, a história pode ser muito diferente”, afirma.

Publicidade