Siga-nos!

Internacional

Gays contra o papa

Ativistas homossexuais criticam duramente as declarações de Bento XVI.

Publicado

em

Bandeira gay


As declarações do papa Bento XVI, comparando a salvação das florestas com o resgate da humanidade do comportamento homossexual continuam gerando forte reação entre ativistas do movimento gay. “Os comentários do pontífice foram irresponsáveis e inaceitáveis”, ataca Sharon Ferguson, dirigente do Movimento Gay e Lésbico Cristão da Grã-Bretanha. Para ela, esse tipo de declaração justifica os maus-tratos e a violência contra os praticantes do homossexualismo. Os comentários de Bento XVI foram feitos em um pronunciamento a clérigos no Vaticano, semana passada. O papa disse que Deus é quem decide quem será homem ou mulher, e que uma terceira via – a da homossexualidade – é uma espécie de atentado contra a Criação.

Na Itália, Vladimir Luxuria, um deputado transexual, concordou que as palavras do papa são prejudiciais. “Eu acho que o que ele disse é muito danoso para o transexual católico. Nós não nos sentimos como pessoas que queremos destruir algo, mas como gente que quer construir sua verdadeira identidade, suas relações com suas famílias e com o mundo”, destacou o parlamentar. Mark Dowd, um estrategista gay do grupo cristão Noah, que luta por medidas para deter as mudanças climáticas, disse que as afirmações do chefe católico são “compreensíveis, mas mal orientadas e infelizes”: “O problema é que, se você estudar ecologia seriamente como qualquer homem inteligente faria – e o papa é um homem fantasticamente inteligente –, percebe que a ecologia é algo complexo, como todo tipo de interdependência estranha, e o mesmo se aplica á sexualidade humana.”

“Fiquei um pouco espantado com a conexão entre casais de gays e lésbicas, vivendo suas vidas em relações carinhosas e com fidelidade, e as mudanças climáticas, que podem destruir o planeta”, opina, por sua vez, Derek Munn, representante do grupo militante gay Stonewall. “É evidente que homens e mulheres são diferentes, mas é exagerado dizer que, a menos que a pessoa esteja em uma relação heterossexual, que possa produzir filhos, sua vida humana tem menos valor”, critica o ativista.

(Com reportagem da BBC Brasil)



Publicidade
Publicidade