Siga-nos!

opinião

Faz de novo, Senhor!

“A criação aguarda ansiosa pela manifestação dos filhos de Deus” – Romanos 8:19

Lorena Carolino

em

Jovem orando de joelhos no The Send. (Foto: Renato Lied)

Eu me lembro como se fosse hoje, de assistir por milhares de vezes, o DVD “Brasil Diante do Trono”, que foi gravado no Maracanã. Eu tinha forte a convicção de que eu contemplaria e faria parte da geração que lotaria estádios e clamaria a Deus por um avivamento sobre o Brasil.

Lembro também da música “O país do futebol é o país da adoração”, gravada por André Valadão. Não era apenas uma canção, era a palavra viva sendo declarada sobre o Brasil.

“Nossos estádios ficarão lotados, não só para diversão. Haverá apenas uma torcida vibrando pela salvação”… “Já chegou a bola da vez, o avivamento em nossa geração. Jovens, velhos e crianças marcando o gol da salvação”.

Como é incrível ver o que homens e mulheres de Deus declararam sobre o Brasil, com lágrimas nos olhos e um clamor sedento, hoje tomando forma e se tornando real.

Nos últimos dias, muito se tem falado sobre avivamento e como isso tem causado polêmica no meio dos “crentes”. Já dizia Billy Graham: “avivamento não é descer a rua com um grande tambor; é subir ao Calvário em grande choro”.

Avivamento não se confunde com movimento, com agitação ou emoção. O avivamento é buscado quando a igreja se humilha, quando a igreja ora, quando a igreja busca e se arrepende. Deus é soberano, Ele é quem decide quando e como haverá o derramar do Espírito Santo.

O que temos visto nos últimos dias, não pode ser descrito como algo sem importância. Pessoas passando horas na presença de Deus, lotando estádios, sim! Clamando a Deus, sim! Reconhecendo que precisam de um derramar de Deus, sim! Pessoas chorando pelo pecado, clamando a Deus por um derramar. Em época de apostasia e doutrinas contraditórias, o Espírito Santo tem reavivado obras, despertado pessoas, levantado igrejas. É o clamor dos filhos!

Certa vez, James Edwion Orr, professor da faculdade Wheaton, levou alguns alunos em uma viagem à Inglaterra, em meados de 1940. Eles visitaram a antiga reitoria de Epworth, onde a família John Wesley morava.

Ao lado da cama de John Wesley, tinha dois pequenos círculos, e o tapete estava desgastado. Esse desgaste era das marcas dos joelhos dele, após tantos momentos de oração pelo renovo espiritual da Inglaterra.

Ao embarcar no ônibus, o professor notou que faltava um aluno. Quando ele voltou e subiu as escadas à procura desse aluno, ele o encontrou ajoelhado sobre as marcas e orava assim: “Faz de novo, Senhor” Faz de novo!”. O professor colocou as mãos sobre o ombro do rapaz e disse:  “Vamos, Billy, temos que ir embora”.

Hoje, temos uma nova geração clamando por um derramar do Espírito sobre o Brasil. Pessoas que entendem que o avivamento não é apenas um momento, não é um sentimento. É clamor, é arrependimento, é choro, é mudança de vida, é sede por santidade, é sede pela presença de Deus, é fome por Sua palavra.

Como os filhos de Deus que se levantaram 20, 30 anos atrás, hoje, essa geração se levanta para clamar: Faz de novo, Senhor! Faz de novo! Nós cremos nisso e vamos buscar a face de Deus até que essa terra seja totalmente invadida por Sua glória.

Cristã, jornalista, esposa do Vinicius, mãe do Heitor, apaixonada por Jesus, sirvo na igreja bola de neve de Brasília.

Trending