Siga-nos!

Mundo Cristão

Família evangélica suspende velório de jovem em AL esperando sua ressurreição

Chamado pela polícia, médico diz que confusão foi causada por “fanatismo religioso”

Avatar

em

O velório de uma jovem alagoana de 23 anos foi interrompido pela família. Eles chegaram a  retirar seu corpo do caixão, esperando que ela ressuscitasse. Somente com a intervenção da polícia e de um médico ela foi, finalmente enterrada neste sábado (5).

Jéssica Lima, passou mal no dia 23 de dezembro e foi encaminhada a Unidade de Pronto Atendimento de Delmiro Gouveia (AL) e foi dada como morta em 3 de janeiro. Durante o velório, que ocorria na casa da família tomou um rumo inesperado quando parentes retiraram o corpo do caixão e o colocaram na cama de um dos quartos.

Leia mais...

Segundo testemunhas, eles acreditavam que a jovem iria ressuscitar. Alguns familiares  afirmaram ter visto o corpo de Jéssica se mexer no caixão, o que motivou a decisão. Uma tia da jovem, que é evangélica, começou a fazer orações e pediu que a família aguardasse, pois a jovem ressuscitaria às 7h de sábado.

Na cidade pequena, começaram a correr boatos que ela estava ressuscitando “porque o corpo estava retornando a temperatura e não estava rígido”. Dezenas de pessoas foram para diante da casa, querendo ver o suposto milagre, o que acabou chamando a atenção da polícia.

Quando o delegado Daniel Mayer chegou o local, tentou conversar com a família, que estava resistente. O médico Petrúcio Bandeira, foi chamado e confirmou a morte de Jéssica.

Bandeira afirma que teve dificuldades de explicar a situação, pois a família acreditava que “um milagre ia acontecer como a tia da paciente falou durante as orações”. Disse ainda que “a parte religiosa não discuto, mas não há como contestar que ali se tratava de um cadáver.”

Para o médico, trata-se de “um fanatismo religioso, porque não havia o que fazer ali para reverter. Esse caso é único por onde passei, por onde estudei”.

Membros da família disseram que iriam fazer uma vigília no cemitério, pois ainda acreditavam que a mulher ainda poderia ressuscitar, noticiou o UOL.

Continue lendo