Siga-nos!

igreja perseguida

Família acusa escola de cobrir estupro da filha cristã, no Paquistão

Menina cristã de 8 anos contou que foi agredida por professor muçulmano.

em

Paquistão, Mesquita de Badshahi em Lahore
Paquistão, Mesquita de Badshahi em Lahore (Foto: Romero Maia/Creative Commons)

No dia 22 de junho, Shahzad Masih e sua esposa foram até a escola de sua filha de 8 anos conversar com a diretora em Lahore, no Paquistão, na tentativa de fazê-lo admitir que sua filha havia sido estuprada naquele dia, mas foram retirados de seu escritório à força pelos seguranças.

A menina estava tremendo e gritando de dor quando voltou da escola com o uniforme manchado de sangue, contou Masih. “Ela não disse uma palavra durante toda a tarde e continuou chorando e gritando de dor”.

Depois de pressioná-la com perguntas, ela contou que havia sido estuprada na escola. Seus pais correram para a Sanjan Nagar Trust School, onde a menina cursa o  terceiro ano.

No entanto, a diretora da escola, Farzana Kausar, e outra professora muçulmana negaram ouvir a reclamação e não admitiram que ela havia sido estuprada nas dependências da escola.

Masih, que é cristão pentecostal e trabalha no Hospital Geral de Lahore, disse que sua filha afirmou que um professor a levou a um banheiro e a agrediu.

Autoridades negam auxílio por serem “cristãos pobres”

Não conseguindo resolver o problema na escola, o casal foi até a Delegacia de Polícia da cidade de Nishtar, mas os policiais não quiseram registrar a ocorrência e os mandaram para casa.

Eles voltaram novamente na delegacia, dessa vez com pessoas influentes do bairro, porém os policiais insistiram que o casal deveria resolver o caso da filha na escola.

“Voltamos a abordar a direção da escola, mas eles foram muito hostis e nos disseram que não devíamos envolver a escola no caso”, disse Masih. “Mais tarde, eles alegaram que ela havia sido estuprada por um aluno cristão da sétima classe.”

A menina de 8 anos, foi instruída por uma professora muçulmana a nomear o menino cristão chamado Joel como culpado, e ameaçaram a expulsar da escola caso ela deletasse o nome do professor que a estuprou.

No entanto, a família de Joel conseguiu provar que ele não estava presente naquele dia. Sem provas, a diretora e outros funcionários do governo começaram a lançar maldições contra eles.

A família entrou com um pedido no tribunal para registrar a queixa. Os exames médicos comprovaram o estupro, mesmo assim a polícia se negou a investigar os membros da escola, alegando que a família é “cristã pobre”.

Até o momento a família segue sem respostas da escola ou da polícia, segundo o Morning Star News.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending