Siga-nos!

igreja perseguida

Cristãos pedem audiência na OEA para denunciar Supremo

As questões giram em torno da restrição da liberdade religiosa no Brasil.

Avatar

em

Plenário do STF Nelson Jr.
Plenário do STF (Foto: Nelson Jr./STF)

Juristas e parlamentares cristãos, católicos e evangélicos, registraram um pedido de audiência na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA) para debater as questões da liberdade religiosa no Brasil.

O motivo foi depois que o Supremo Tribunal Federal decidiu, por 9 a 2, em 8 de abril, manter as restrições das celebrações religiosas para os executivos dos municípios e estados, que estava em discussão como mostramos aqui.

Os autores do pedido dizem que essa intervenção do estado na realização dos cultos presenciais durante a pandemia é indevida, pois ela fere “os princípios da dignidade da pessoa humana, liberdade religiosa e laicidade estatal”.

Quem assina o documento são os representantes do Instituto Brasileiro de Direito e Religião (IBDR) e da Frente Parlamentar Mista do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos Humanos e da Justiça Social.

Sobre o documento

“A última instância do Poder Judiciário brasileiro decidiu que prefeitos e governadores podem impedir, através de decretos, sem o devido processo democrático de discussão e aprovação de uma lei nas respectivas casas legislativas, os cidadãos de realizarem atividades religiosas presenciais, impossibilitando-os, portanto, de exercerem o direito humano e constitucional de viés fundamental, garantia inegociável à liberdade de crença e religião”, diz os autores do pedido.

Eles também listaram à CIDH quatro solicitações, confira quais são elas:

a) Apresentar de modo mais detalhado informações sobre a situação atual da liberdade religiosa e de culto no Brasil;

b) Discutir sobre os limites de cerceamento ou restrições das liberdades individuais e coletivas, entre elas a liberdade religiosa;

c) Discutir sobre a aplicabilidade e o limite da imposição de restrições à liberdade de manifestação da religião por autoridades brasileiras durante a pandemia do COVID-19, em consonância com o disposto no art. 12, item 3, da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, com o propósito de evitar o cerceamento absoluto deste direito humano fundamental;

d) Requerer providências da Comissão Interamericana de Direitos Humanos sobre a violação do direito à liberdade religiosa no Brasil, a fim de investigar, adotar medidas cautelares específicas, pronunciar e emitir recomendações sobre o caso.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending