Siga-nos!

mundo

EUA prepara sanções contra Rússia por interferência nas eleições

Relatório de inteligência diz que China tinha interesse na vitória de Biden.

Avatar

em

Bandeira dos EUA
Bandeira dos EUA (Foto: Reprodução/Unsplash)

Washington prepara sanções contra a Rússia, que deverão ser anunciadas na próxima semana, por suposta interferência nas eleições presidenciais 2020, nos Estados Unidos.

A informação foi compartilhada pela CNN, que apontou que também poderá haver sanções contra Irã, China e outros países, de acordo com relatório que citou três funcionários anônimos do Departamento de Estado dos EUA.

Um funcionário do governo também disse à agência de notícias Reuters que o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, “deixou claro” que seriam tomadas medidas sobre a interferência eleitoral.

De acordo com o funcionário dos EUA, a Casa Branca pretende aplicar medidas contra o governo de Vladimir Putin por um ataque contra o líder da oposição no país, Alexei Navalny, e sua prisão.

Relatórios de inteligência teriam encontrado amplos esforços por parte de Moscou e de Teerã para moldar o resultado da disputa, embora cada um tinha interesses em candidatos opostos, segundo o relatório, mas não há nenhuma evidência de que houve mudança de votos ou interferência no processo eleitoral.

O relatório foi divulgado pelo Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional e representa a avaliação mais detalhada da gama de ameaças estrangeiras às eleições de 2020.

Houve, segundo o relatório, esforços do Irã para minar a confiança na votação e prejudicar as perspectivas de reeleição de Donald Trump, bem como as operações de Moscou que dependiam dos aliados de Trump para difamar Biden, o eventual vencedor.

Curiosamente, o relatório aponta que Pequim, que preferia a presidência de Joe Biden, não teria interferido em nenhum dos lados e “considerou, mas não desdobrou” operações de influência destinadas a afetar o resultado, apesar da covid-19.

As principais ameaças teriam vindo da Rússia e do Irã, embora com diferentes intenções e por meios diferentes, de acordo com funcionários da inteligência.

A Rússia, disse o relatório, procurou minar a candidatura de Biden porque o via como contrário aos interesses de Moscou, embora tenha tomado algumas medidas para se preparar para um governo democrata à medida que a eleição se aproximava.

O relatório também diz que o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou operações de influência com o objetivo de denegrir Biden, fortalecer Trump, minar a confiança nas eleições e exacerbar as divisões sociais nos EUA.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending