Siga-nos!

Internacional

EUA e Israel deixam oficialmente a Unesco, órgão da ONU

Principal motivo seria viés “anti-Israel”

em

Conforme haviam anunciado há mais de um ano, os Estados Unidos e Israel deixaram oficialmente a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). O principal motivo é o viés anti-Israel da entidade.

Criada após a Segunda Guerra Mundial para “promoção da paz”, a UNESCO, que tem sede em Paris, vem aprovando uma série de resoluções nos últimos anos em desfavor de Israel e ignorando violações de países fundamentalistas islâmicos.

Os exemplos mais contundentes foram as resoluções que acusavam Israel de “ocupar” Jerusalém oriental, renomear com termos islâmicos locais sagrados para os judeus como o “monte do Templo” e a concessão de adesão plena à Palestina, em 2011.

O Brasil vinha votando consistentemente a favor de tudo isso nos governos do PT e de Temer, mas terá uma mudança radical, conforme anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Desde que Donald Trump assumiu o governo, os EUA exigiram “reforma fundamental” na agência, o que não aconteceu. As saídas dos dois países também afetam a Unesco financeiramente, pois o órgão vinha lidando com dificuldades desde 2011, quando tanto Israel quanto os EUA pararam de pagar as taxas anuais por não concordar com as diretrizes da UNESCO.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, lamentou “profundamente” a decisão de Washington, a qual qualificou como uma “perda para o multilateralismo” e para a família das Nações Unidas.

Publicidade