Siga-nos!

Internacional

EUA e Israel deixam oficialmente a Unesco, órgão da ONU

Principal motivo seria viés “anti-Israel”

Avatar

em

Publicidade

Conforme haviam anunciado há mais de um ano, os Estados Unidos e Israel deixaram oficialmente a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). O principal motivo é o viés anti-Israel da entidade.

Criada após a Segunda Guerra Mundial para “promoção da paz”, a UNESCO, que tem sede em Paris, vem aprovando uma série de resoluções nos últimos anos em desfavor de Israel e ignorando violações de países fundamentalistas islâmicos.

Leia mais...

Continua depois da Publicidade

Os exemplos mais contundentes foram as resoluções que acusavam Israel de “ocupar” Jerusalém oriental, renomear com termos islâmicos locais sagrados para os judeus como o “monte do Templo” e a concessão de adesão plena à Palestina, em 2011.

O Brasil vinha votando consistentemente a favor de tudo isso nos governos do PT e de Temer, mas terá uma mudança radical, conforme anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Desde que Donald Trump assumiu o governo, os EUA exigiram “reforma fundamental” na agência, o que não aconteceu. As saídas dos dois países também afetam a Unesco financeiramente, pois o órgão vinha lidando com dificuldades desde 2011, quando tanto Israel quanto os EUA pararam de pagar as taxas anuais por não concordar com as diretrizes da UNESCO.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, lamentou “profundamente” a decisão de Washington, a qual qualificou como uma “perda para o multilateralismo” e para a família das Nações Unidas.

Publicidade