Siga-nos!

sociedade

Estudo aponta melhoria na abordagem das Testemunhas de Jeová no abuso infantil

Regras sobre punição das Testemunhas de Jeová causa divisão de opiniões.

em

Testemunhas de Jeová. (Foto: Viktor Talashuk / Unsplash)

Em um estudo, que aconteceu entre os dias 1° de julho e 4 de agosto, a revista The Watchtower ofereceu observações sobre a política dos Testemunhas de Jeová contra abuso sexual infantil.

O relatório, do Inquérito Independente sobre Abuso Sexual Infantil para a Inglaterra e o País de Gales, de setembro de 2021 sobre proteção à criança contra abuso em organizações e ambientes religiosos concluiu que, embora problemáticas no passado, as políticas adotadas pelas Testemunhas de Jeová para lidar com casos de abuso infantil foram melhoradas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O Inquérito se refere a chamada regra das duas testemunhas, observando que muitas organizações religiosas não tomam medidas disciplinares internas contra seus membros que são acusados de abuso sexual, a menos que sejam clérigos ou funcionários. A maioria não age contra paroquianos comuns.

Segundo o Inquérito, Testemunhas de Jeová são um raro exemplo de uma organização religiosa com um processo interno em vigor. Tendo determinado se devem fazer um encaminhamento aos órgãos estatutários, dois anciãos consideram se há evidências suficientes para estabelecer uma alegação de uma perspectiva bíblica.

Segundo o manual, na ausência de uma confissão, para convocar um comitê judicial eclesiástico para disciplinar o suposto agressor, deve haver duas ou três testemunhas oculares, não apenas pessoas repetindo boatos; nenhuma ação pode ser tomada se houver apenas uma testemunha.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“A capacidade da regra de causar danos às vítimas e sobreviventes de abuso sexual infantil é clara… O uso contínuo desta regra mostra um desrespeito à gravidade dos crimes envolvidos e seu impacto sobre os indivíduos. Também falta compaixão pela vítima, e serve para proteger o agressor”, diz o relatório segundo Bitter Winter.

Acrescenta também que a implicação da regra em um contexto de abuso sexual é de propenso aumento no sofrimento das vitimas, falhando em refletir a realidade que o abuso sexual infantil é mais frequentemente cometido na ausência de testemunhas.

Testemunhas de Jeová encontram uma explicação detalhada e inequívoca em um artigo de 2019 lidando com abuso sexual infantil. O artigo descreve o abuso sexual de crianças como ato especialmente repugnante, se uma Testemunha de Jeová se torna culpada de abuso sexual, ele ou ela está violando tanto a lei da terra quanto a lei de Deus.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“A ausência de uma segunda testemunha não significa que quem faz a acusação é inverídico. Mesmo que uma acusação não possa ser estabelecida por duas testemunhas, os anciãos reconhecem que um pecado grave pode ter sido cometido, um que feriu profundamente outro. Os anciãos fornecem apoio contínuo a qualquer indivíduo que possa ter sido ferido. Além disso, os anciãos permanecem alertas sobre o suposto agressor para proteger a congregação do perigo potencial”, estabeleceram eles.

Você pode gostar
Será que o público entende quando você prega?
Adquira o curso que é focado em desenvolver e destravar a Oratória de futuros Líderes Cristãos.
SAIBA MAIS! »

Termine o ano memorizando a Bíblia!
Memorize os livros da Bíblia e suas passagens de um jeito super dinâmico. Fortaleça sua fé para comunicar a Palavra de Deus do jeito fácil!
SAIBA MAIS! »

Se capacite em administrar melhor suas finanças!
Veja como você pode ser mais próspero financeiramente à luz da Palavra de Deus.
SAIBA MAIS! »

Trending