Siga-nos!

Internacional

Ativistas de esquerda atacam evangélicos durante Marcha para Jesus no Chile

“Vimos o ódio da esquerda, que violentamente tentou nos censurar”, denuncia político evangélico.

Publicado

em

Esquerdistas tumultuam Marcha para Jesus no Chile
Publicidade

Durante este sábado (27) ocorreu em várias cidades do Chile, a “Marcha para Jesus”. Este ano, os organizadores incluíram nos temas a oposição ao aborto e à ideologia de gênero. Diferentemente das edições anteriores, o evento na capital Santiago acabou em violência.

Um grupo de ativistas políticos e de movimentos LGBT atacou os participantes da Marcha. Segundo informações da polícia, houve agressões com paus e pedras que tentavam impedir que os evangélicos chegassem à Praça da Cidadania, onde seria realizado um culto de encerramento.

Marcha para Jesus no Chile

Marcha para Jesus no Chile. (Foto: Bio Bio Chile)

A polícia foi chamada e, em meio ao confronto, o policial Luis Alberto Rojas Ambiado, acabou ferido por uma pedrada na cabeça, sendo encaminhado para o hospital local. Além dele, dois evangélicos também se machucaram e precisaram de cuidados médicos emergenciais.

Os vídeos que circulam nas redes sociais mostram que a situação ficou fora de controle. Muitos pais estavam com filhos pequenos. A grande imprensa deu pouca atenção ao ocorrido.

Em seu perfil oficial no Twitter, a Marcha emitiu uma nota onde anuncia que houve “muitos irmãos que caminhavam pacificamente quando foram atacados acabaram se ferindo”. Também exige uma resposta das autoridades a estes “grupos extremistas”, para que esse tipo de coisa não volte a acontecer.

“Ódio da esquerda”

Segundo jornais chilenos, eram cerca de 150 manifestantes que se denominavam “antifascistas” e alegavam que havia “frases machistas e homofóbicas” nos cartazes de membros da Marcha. Após as ações policiais, que incluiu o uso de bombas de gás lacrimogênio para dispersar a multidão, 19 ativistas foram presos.

José Antonio Kast, um deputado evangélico que estava presente disse que “Hoje fizemos parte de um grande movimento. A Marcha para Jesus mostrou que somos milhares de queremos defender a vida e a família”. Ele lamentou o uso da violência. “Também vimos o ódio da esquerda, que violentamente queria nos censurar. Eles atacaram famílias e crianças. Dizemos a eles: vamos defender nossas convicções em todos os espaços, fóruns e ruas.”

Apesar do conflito em Santiago, o pastor Alan Roldán, um dos promotores nacionais da Marcha Para Jesus, comemora o fato de terem conseguido reunir cerca de 500 mil pessoas em 28 cidades chilenas.

Os censo de 2017 aponta que os evangélicos são pouco menos de 20% (3,5 milhões) da população total, de 18 milhões.

Publicidade