Siga-nos!

Política

Por que Dilma ignorou a jovem cristã assassinada na Venezuela?

Publicado

em



Aos 22 anos, a jovem cristã Génesis Carmona, Miss Turismo do estado de Carabobo, foi assassinada por “motoqueiros chavistas” quando participava de protesto contra a ditadura de Nicolas Maduro, no dia 18 de fevereiro, na capital da Venezuela.

Hector Rotunda estava ao lado da amiga quando ela recebeu o tiro fatal. Em depoimento a jornais internacionais, ele revelou que a menina protestava contra a ditadura socialista em face da tragédia econômica da Venezuela, mas não integrava grupos de oposição.

Hector disse ainda que dezenas de outros estudantes foram vítimas dos disparos das milícias ligadas à ditadura de Maduro. É claro que nunca saberemos, com certeza, quantos foram feridos ou morreram pelas milícias chavistas.

“Somos estudantes universitários e marchamos livremente contra o regime de Nicolás Maduro. Nós estamos marchando nas ruas desde o dia 12 de fevereiro. Lamentavelmente, grupos de motoqueiros relacionados ao governo se aproximaram e nos atacaram. Foram eles que atiraram.”

Os tais motoqueiros são figuras conhecidas nos protestos. A pobre Genesis não foi a primeira e, infelizmente, não será a última vítima dos criminosos. Como explicou Hector:

“São pessoas que estão organizadas e autorizadas para atacar as concentrações da oposição, não só aqui em Valência, mas em todo o país.”

Silêncio de Dilma

E o que tudo isso tem a ver com o Brasil? Tudo, caro leitor, absolutamente tudo!

Veja bem, nossas feministas R$ 1,99 são capazes de ir pra rua se esfregar em símbolos religiosos católicos reclamando de opressões fantasmagóricas, de um passado distante, mas se calam diante da morte real de um ser humano de carne e osso.

Por quê? Porque Génesis era uma menina fora de agrupamentos de esquerda, protestando contra uma ditadura socialista, e o “pior de tudo”: a garota era cristã!

A esquerda só reconhece direitos humanos aos seus semelhantes. Os que têm valores e ideais distintos não recebem nem sua compaixão. Com nossas feministas não é diferente.

Aliás, com a nossa presidente nunca foi diferente. O governo Dilma é capaz de lamentar a morte de um adolescente por “homofobia” antes mesmo da Polícia chegar a qualquer conclusão sobre o caso, mas silencia quando os crimes vem da esquerda.

O governo Dilma só reconhece direitos humanos quando quer fazer proselitismo ideológico. Os petistas se antecipam, julgam, condenam e opinam sobre tudo quanto lhes convém. E silenciam sobre todo o resto.

No artigo “O vergonhoso silêncio de Maria do Rosário”, publicado na versão brasileira da Epoch Times, Roberto Barricelli afirma:

A secretária de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, se pronuncia apenas quando o assunto é de interesse do governo e/ou pode ser utilizado para obtenção de alguma vantagem nas eleições que se aproximam. Isso fica claro por suas atitudes e declarações.

Será que o assassinato covarde de Génesis teria sido ignorado se, ao invés de cristã e não-esquerdista, ela fosse uma esquerdista mascarada, uma “Vadia”, ou uma Black Bloc violenta?

Lamentável que as mulheres brasileiras, em especial as cristãs, ainda caiam na armadilha retórica de Dilma e feministas fantoches que silenciam diante da morte de Génesis, Ana Clara e outras mulheres e meninas que não valem nada para a esquerda.



Publicidade
Publicidade