Siga-nos!

Internacional

‘Deus é que decide quem é homem ou mulher’

Publicado

em



Bento XVI compara proteção às florestas ao combate ao homossexualismo.

O papa Bento XVI comparou nesta segunda-feira a proteção às florestas ao combate ao homossexualismo em sua saudação de fim de ano à Cúria Romana, o órgão administrativo da Santa Sé. O líder católico pediu que o mundo escute a linguagem da criação, afirmando que seu desprezo “seria a destruição do homem e, portanto, a destruição da obra de Deus”. Segundo o pontífice, a posição da Santa Sé não é contra a discriminação dos gays, mas se opõe à equiparação de casais homossexuais com outros.

“As florestas tropicais merecem, sim, a nossa proteção, mas não menos digno é o homem como uma criatura”, discursou Joseph Ratzinger, que nos últimos meses tem destacado cada vez mais a posição da Santa Sé contra o homossexualismo. “O que muitas vezes é expresso e compreendido pelo termo gênero se resume, na verdade, em última instância, na auto-emancipação do homem da criação e do Criador”, destacou o papa. “O homem quer estar sozinho e fazer sozinho e exclusivamente o que lhe diga respeito, mas viver dessa forma é contra a verdade, é contra o espírito do Criador. As florestas tropicais merecem, sim, a nossa proteção, mas não menos digno é o homem como uma criatura, que está escrevendo uma mensagem que não significa contradição com nossa liberdade, mas sua condição”, disse Bento XVI.  

Ele afirmou que os comportamentos que vão além das relações heterossexuais são “a destruição do trabalho de Deus”. Durante o discurso contra o homossexualismo, Bento XVI defendeu a criação de uma “ecologia humana”, dizendo que a Igreja não pode se limitar a transferir a seus fiéis a mensagem da salvação, mas que também tem uma responsabilidade sobre a criação. “A Igreja também deve proteger o homem da destruição de si mesmo. Não é o homem que decide, é Deus que decide quem é homem quem é mulher.”



Publicidade
Publicidade