Siga-nos!

Política

Depois de Dilma prometer “aliança com o Diabo”, Lula quer “aliança com Deus”

Lula orientou sigla para tentar “resgatar” confiança do segmento.

em

Lula e Dilma. (Foto: Lula Marques / Agência PT)

Em novembro de 2018, após vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) participava do Fórum do Pensamento Crítico, em Buenos Aires, quando prometeu fazer “aliança até com o Diabo” para combater o governo então recém-eleito.

O Partido dos Trabalhadores (PT) já experimentava uma rejeição achincalhante entre os evangélicos, sendo apelidado de “Partido das Trevas”. Isso se consolidou nas eleições, quando Bolsonaro ganhou maioria dos votos evangélicos.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A derrota do candidato petista, Fernando Haddad, na disputa de segundo turno com Jair Bolsonaro fez o núcleo duro do PT se conscientizar da importância do apoio dos líderes evangélicos, desdenhados durante os 13 anos da sigla no poder.

Assim que deixou a prisão em Curitiba, depois de uma manobra do Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-presidente Lula orientou a criação de “núcleos evangélicos” no partido para tentar atrair o segmento.

Durante entrevista à “TV do Trabalhador”, vinculada ao PT, Lula afirmou em tom de brincadeira ter “jeitão de pastor”, reforçando a intenção de tentar “resgatar” a simpatia dos evangélicos no país.

Continua depois da publicidade