Siga-nos!

Mundo Cristão

Cristã demitida por “guardar o domingo” ganha processo de US$ 21 milhões

A empresa foi processada por violação de direitos religiosos

Avatar

em

Marie Jean Pierre
Marie Jean Pierre. (Foto: Reprodução / NBC)

A imigrante haitiana Marie Jean Pierre, 60, que vive nos Estados Unidos e tem seis filhos, trabalhou no Conrad Hotel em Miami, Flórida e foi demitida por se recusar a trabalhar aos domingos. “Eu não posso trabalhar no domingo, porque é o dia que eu honro a Deus”, declarou.

Durante o período de 2006 a 2016, trabalhou normalmente como lavadora de louças. Só em 2015 que seu chefe, o gerente de cozinha George Colon, decidiu que teria que trabalhar aos domingos de qualquer maneira.

Durante um tempo, os colegas de trabalho trocaram turnos com Marie, até o gerente não concordar com esse combinado. Quando foi demitida, em março de 2016, o hotel alegou “má conduta, negligência e ausências não justificadas”.

De acordo com o Christian Post, ela processou o hotel. O júri constatou que o Conrad sabia de seu envolvimento com a igreja, que era o motivo de sua recusa. A cristã foi indenizada com 21 milhões de dólares pelo júri federal, na última segunda-feira (21) por ter seus direitos religiosos violados.

Embora exista um limite para as indenizações por danos punitivos no tribunal federal, é possível que Marie ainda receba cerca de 500 mil dólares. O advogado disse “não fiz isso por dinheiro, fiz para corrigir um erro”.

O hotel se defendeu dizendo que “durante os 10 anos foram feitas várias concessões para acomodar seus compromissos pessoais e religiosos” e que pretendem apelar para provar que o Conrad Miami foi e continua sendo um local acolhedor para todos os hóspedes e funcionários.

Assista (em inglês)!

 

 

Cris Beloni é jornalista, teóloga e pesquisadora apaixonada pela Bíblia. Desenvolveu um trabalho de Jornalismo Investigativo Bíblico e é autora do livro Derrubando Mitos.

Publicidade