Siga-nos!

Igreja Perseguida

Covid-19 se alastra pela Coreia do Norte

No país que mais persegue cristãos no mundo, a situação chega à calamidade, pois não há comida, instalações médicas e nem informação suficiente para a população enfrentar a doença

Portas Abertas

em

População doente e faminta depende da produção local de alimentos e medicamentos (Portas Abertas)

Todos os cantos da Coreia do Norte foram afetados pela covid-19. Neste país frágil, já havia comida insuficiente, falta de instalações médicas e bloqueio de informações. Essas questões só pioraram quando as fronteiras e as rotas comerciais foram fechadas.

A Coreia do Norte fechou suas fronteiras no final de janeiro, na tentativa de impedir que o vírus chegasse. O país já estava isolado, mas neste momento até o comércio com a China, o principal fornecedor de Pyongyang, foi completamente interrompido. Além disso, a segurança nas fronteiras também foi reforçada, o que afetou o povo norte-coreano que tentava fugir para a China. Se alguém tentasse escapar durante esse período, poderia ser morto a tiros imediatamente.

As autoridades norte-coreanas ainda esperavam sediar eventos nacionais, incluindo desfiles militares. Mas entre fevereiro e março, a situação se tornou crítica e eles tiveram que cancelar todos os eventos futuros. Simultaneamente, a própria mídia norte-coreana admitiu que havia milhares de pessoas em quarentena e muitas estavam “sob observação médica”. Mas o país ainda afirma que houve zero infecções.

A verdade é que ainda não sabemos os números exatos de infecções e mortes. Pode ser centenas de milhares de crianças e adultos. O que sabemos é que até Kim Jong-un desapareceu da vista do público por algumas semanas – supostamente como parte de uma evacuação secreta, mas talvez porque ele estivesse se recuperando de uma cirurgia cardíaca.

A partir de meados de fevereiro, Pyongyang decidiu fechar todas as escolas e universidades e adotou regras de distanciamento social. Embora o regime afirme que foram ações preventivas, há indicações de que o vírus mortal começou a se espalhar por todo o país.

Um relatório recente do Daily NK, um site de notícias dirigido por refugiados norte-coreanos, afirma que mais de 180 soldados morreram vítimas da Covid-19. Também foram relatadas as mortes de 11 prisioneiros no campo de concentração de Chongori, que apresentavam os sintomas do vírus, incluindo problemas respiratórios. Após a morte, outros internos começaram a apresentar sintomas e febre alta.

O bloqueio diminuiu radicalmente as importações e a provisão de alimentos no país depende substancialmente da produção interna, que não dá conta de um país inteiro. A grande parte de alimentos essenciais ao norte-coreano (arroz, farinha, soja, açúcar, milho) já está quatro vezes mais caro.

Há escassez também de medicamentos. Doentes crônicos não são tratados e a produção interna de antibióticos e analgésicos tem uma qualidade péssima. Recebe tratamento quem tem dinheiro e pode pagar pela medicação.

Esse tipo de situação, com falta de alimentos e medicamentos, geralmente levaria ao caos. Mas milhões de soldados estão de prontidão para controlar o país – eles estão prontos para suprimir qualquer levante.

Agora, espera-se que o país elimine as restrições. Eles primeiro permitiram que residentes estrangeiros em Pyongyang pudessem visitar as lojas de departamento do governo. Todas as escolas estão reabrindo a partir desta semana. Mas uma fonte interna afirma que as escolas pedem aos pais dos alunos que paguem as taxas pelo equipamento de desinfecção covid-19 – o governo não pode se dar ao luxo de fornecê-lo.

E, no entanto, as restrições de fronteira permanecem no país. É difícil prever o que acontecerá com os preços de alimentos, medicamentos e suprimentos agrícolas.

Enquanto isso, os jornais norte-coreanos enfatizam que as pessoas devem “apertar o cinto” e “confiar na festa” para passar por esse momento difícil. O regime está preparado para culpar as sanções internacionais se muitos morrerem de fome. No entanto – não há sinal do regime norte-coreano assumindo sua responsabilidade de proteger seus próprios cidadãos da fome e repressão, sem mencionar a perseguição religiosa.

A Coreia do Norte ocupa a primeira posição na Lista Mundial da Perseguição desde 2002.

Estima-se que exista mais de 300 mil cristãos no país, vivendo de forma clandestina. Destes, mais de 50 mil estão em campos de trabalho forçado, sendo torturados e até mortos.

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trending