Siga-nos!

Opinião

Como derrubar os argumentos dos desigrejados

Há áreas da vida cristã que só podem ser exercidas dentro da Igreja.

Renan Alves da Cruz

em

É de apertar o coração ver os tais desigrejado bradarem com orgulho sua opção de “desigrejar-se”, sob o argumento de que as igrejas atuais perverteram o cristianismo verdadeiro, ou de que são covis de salteadores e etc.

Tenho, porém, uma boa notícia (ou má, se você for um desigrejeiro convicto):

Existem muitas boas igrejas por aí.

E se você não está conseguindo se enquadrar em nenhuma delas, o problema, meu caro, é você.

Sugiro que analise as seguintes alternativas:

1) Você está com o coração tão endurecido, que se tornou incapaz de conviver em comunhão com os irmãos.

2) Você se acomodou na desculpa de que todas as igrejas são ruins, abstendo-se de congregar e se responsabilizar na obra.

Ou (e está é a minha preferida):

3) Você não tem MATURIDADE para distinguir entre uma igreja boa e uma ruim, e, por isso, sai berrando por aí que nenhuma presta.

Observo os argumentos aleatórios expressos pelos desigrejados e percebo a natureza birrenta de suas alegações. Quando apelam a generalizações vazias, do tipo “as igrejas de hoje em dia não são como era a igreja primitiva”, é fácil perceber a premeditação tática do discurso.

O discurso tático, neste caso, é a repetição exaustiva de um conceito que, pretende-se tão óbvio, a ponto de não haver necessidade de ser melhor explicado.

O desigrejado então se torna um troll de internet, postando e repostando casos de heresias, modismos, unções estranhas e extorsões (que inequivocamente existem aos montes), como justificativa de sua fúria anti-igreja.

Passa a viver na defensiva. O tempo todo tentando provar aos outros (e a si mesmo) que estes “alguns” representam todos.

Não estamos todos comprando vassouras ungidas ou recebendo a unção do cuspe, meu amigo desigrejado. Não estamos todos dando “trízimos” ou pagando mensalidades de carnês da benção.

A verdadeira Palavra de Deus está sendo pregada em muitos lugares. Em igrejas perfeitas? Não. Nenhum de nós é perfeito. Você também não é. Logo, quando nos unimos, somamos nossas imperfeições. A igreja primitiva também não era perfeita. Tinha seus tropeços e necessidades de aprimoramento (Atos 6.1-3).

O que distingue uma Igreja verdadeira da que prega um falso evangelho não é a impossibilidade de ter problemas ou cometer equívocos eventuais, mas sim o cerne do cristianismo que vive, exige e apregoa.

Você está cansado de heresias e enganos, desigrejado. Ótimo. Eu também estou. Por isso estou atuando em minha igreja local, para que, com todos os nossos defeitos, a blindemos de falsos profetas e de teologias escusas.

Se você não luta pela Igreja você não a ama.

Volto às alternativas listadas acima.

Será que o problema está em todas as igrejas e cristãos praticantes do mundo, ou em você?

Será que você atingiu um status de santidade que o posiciona acima de todos os outros servos do Senhor?

Será que você é maduro o bastante para discernir entre a igreja mentirosa e a verdadeira?

Existem áreas da nossa vida em que só podemos exercer o cristianismo fora da Igreja. São nossa vida matrimonial, profissional, a cidadania, os lazeres e etc. Em tudo isso devemos louvar a Deus com atitudes, e fora da Igreja. Não dá para substituir.

Mas o oposto é verdadeiro. Há áreas da vida cristã que só podem ser exercidas dentro da Igreja.

Cuidado para, ao desigrejar-se, não acabar descristianizando-se sem perceber.

É historiador e professor. Debruça-se sobre política, literatura estrangeira e teologia. É editor e colunista do portal Voltemos à Direita, colunista do portal Gospel Prime e coautor do livro “Por que sou conservador”.

Publicidade