Siga-nos!

Opinião

Cientistas de colarinho: conheça célebres teólogos que revolucionaram a ciência

Definitivamente a fé e a razão não são arqui-inimigas, mas sim coirmãs.

Sidnei Osvaldo Ferreira

em

Gregor Mendel. (Foto: Domínio Público)

O colarinho clerical é uma indumentária sacerdotal de origem protestante, bastante utilizada por padres católicos e pastores evangélicos como uma identificação do sacerdócio cristão e possui todo um significado de devoção a vida eclesiástica.

Utilizamos a expressão: “Cientistas de colarinho”, justamente para apresentar a imensa contribuição de notáveis teólogos cristãos que também se tornaram ilustres cientistas, conciliando a fé com a razão e ao contrário do que muito se especulam.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A própria história comprova que a igreja cristã não impediu o progresso cientifico, na verdade impulsionou o avanço da ciência moderna e contribuiu como nenhuma outra instituição para o desenvolvimento da ciência se tornando a maior patrona e a melhor protetora do conhecimento cientifico.

Embora haja alguns casos isolados, onde os fatos infelizmente foram bastante deturpados – a exemplo de Galileu. Contudo, diversos historiadores conceituados reconhecem atualmente que igreja cristã nunca foi uma opositora, mas sim a maior apoiadora da ciência.

O livro “Cientistas de Batina” apresenta a grande contribuição de célebres teólogos cristãos para o desenvolvimento do método cientifico e todo o avanço da ciência moderna.

Apresentaremos a seguir, uma breve relação de apenas alguns entre tantos teólogos cristãos que também foram cientistas, alguns desses doutores da ciência e mestres da teologia, também exerceram o sacerdócio de ordem católica e protestante.

Vejamos um pouco do legado desses grandes homens:

Roger Bacon – (1214 – 1294)

O inglês é considerado como o pai do método científico. Ele foi filósofo, cientista, doutor em teologia e um influente padre Franciscano padre e serviu a escola de Oxford como um grande mestre. Dedicou tanto a ciência que recebeu o título de “Doctor Mirrabilis” – Doutor admirável.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Jean Buridan – (1300 – 1358)

O francês é considerado como o pai da teoria do ímpeto. Responsável por desenvolver a teoria do impulso o que se tornou uma grande descoberta para o conceito moderno da lei da inercia. Ele foi um padre católico e um dos filósofos mais influentes do final da Idade Média.

Nicolau Copérnico – (1473 – 1543)

Nicolau Copérnico. (Foto: Wikimedia Commons)

O polonês é considerado como o um dos pais da astronomia moderna. Responsável por publicar a teoria do heliocentrismo. Ele foi um cientista astrônomo, médico, matemático e teólogo cristão.

Johannes Kepler – (1571 – 1630)

O alemão é considerado um dos mais importantes astrônomos de todos os tempos. As três leis de Kepler sobre o movimento planetário são válidas e estudadas ainda hoje. Ele foi um brilhante matemático e um exímio acadêmico de teologia.

Marin Mersenne – (1588 – 1648)

O francês é considerado o pai da acústica. O asteróide “8191 Mersenne”, recebeu esse nome em sua homenagem. Ele foi um brilhante matemático, músico, teólogo e padre franciscano.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Jan Amos Comenius – (1592 – 1670)

O checo é considerado o pai da didática moderna: Considerado um dos maiores educadores da história, responsável direto pela: “didática magna” e inventor da ciência pedagógica. Ele foi um cientista, pedagogo, teólogo protestante e bispo da igreja.

Robert Boyle – (1627 – 1691)

O irlandês é considerado como o pai da química moderna. Respeitado como o mais brilhante químico, autor da lei de Boyle. Ele foi um filosofo naturalista, físico, cientista e teólogo protestante que estudava a bíblia nas línguas originais e patrocinou a tradução das escrituras para diversos povos.

Francis Bacon – (1561 – 1626)

O inglês é considerado como o pai do método experimental. Respeitado com um dos fundadores do método indutivo de investigação científica. Ele foi um filósofo, estadista, jurista, teólogo, cientista medieval e um frade Franciscano.

Nicolau Steno – (1638 – 1686)

O dinamarquês é considerado o pai da estratigrafia. Responsável por estabelecer os princípios básicos da geologia. Ele foi um médico, geólogo, teólogo e bispo católico.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Isaac Newton – (1643 – 1727)

Isaac Newton. (Foto: Getty Images/Hulton Fine Art Collection/Imagno)

O inglês é considerado como o pai da ciência moderna. Respeitado por muitos como “o maior cientista de todos os tempos”. Ele foi um filósofo, físico, matemático, astrônomo e teólogo protestante.

John Flamsteed – (1646 – 1719)

O inglês é considerado o primeiro astrônomo real da Inglaterra. Foi um filósofo, astrônomo e teólogo

Stephen Hales – (1677 – 1761)

O inglês é considerado o pai da fisiologia vegetal. Foi um notável Inventor, fisiologista, químico, teólogo e pastor protestante.

Thomas Bayes – (1701 – 1761)

O inglês é responsável por desenvolver o teorema de Bayes. Ele foi um ilustre matemático, filósofo, teólogo e pastor presbiteriano.

Carolus Linnaeus – (1707 – 1778)

O sueco é considerado o pai da taxonomia moderna. Responsável por criar a nomenclatura binomial e a classificação científica. Ele foi um ilustre botânico, zoólogo, médico e um teólogo natural.

Robert Boscovich – (1711 – 1787)

Robert Boscovich. (Foto: Reprodução / Facebook)

O croata é considerado como o pai da teoria atômica moderna. Ele foi um físico, astrônomo, matemático, filósofo, teólogo e padre jesuíta.

John Michel – (1724 – 1793)

O inglês é considerado o pai da sismologia. O primeiro homem a comentar sobre a existência de buracos negros, e isso há 200 anos antes de serem descobertos. Ele foi um geólogo, astrônomo, teólogo e pastor anglicano.

William Paley – (1743 – 1805)

O inglês é considerado um dos maiores professores da universidade de Cambridge. Ele foi reitor acadêmico, filósofo, teólogo e um dos maiores apologista da fé cristã.

William Kirby – (1759 – 1850)

O inglês é considerado o pai da entomologia. Responsável por ser membro fundador da influente Linnean Society of London. Ele foi um cientista, teólogo naturalista e pastor protestante.

Charles Bells – (1774-1842)

O escocês é considerado como o pai da farmacologia experimental. Ele foi um cientista, anatomista, cirurgião, fisiólogo e teólogo natural.

Charles Babbage – (1792 – 1971)

O inglês é considerado como o pai do computador. Ele foi um cientista, matemático, engenheiro mecânico, teólogo natural e um apologista cristão.

William Whewell – (1794 – 1866)

O inglês é considerado como o pai do termo cientista. Responsável por ter criado o termo: “cientista”, o que outrora era conhecido somente pela expressão: “filósofos naturais”. Ele foi um filósofo, cientista, teólogo, polímata e pastor anglicano.

Louis Agassiz – (1807 – 1873)

O suíço é considerado como o pai da ciência glacial. Ele foi um zoólogo, geólogo e teólogo cristão.

Gregor Mendel – (1822 – 1884)

O austríaco é considerado o pai da genética. Respeitado como o maior “padre cientista” da história. Ele foi um cientista, biólogo, botânico, teólogo e monge agostiniano.

John Charlton Polkinghorne – (1930 – )

John Charlton Polkinghorne. (Foto: Reprodução)

O inglês é atualmente um dos maiores representantes da relação entre ciência e religião. Ele é um físico, teólogo e sacerdote anglicano.

Enfim, a relação dos teólogos cristãos que também foram cientistas é imensa, sobretudo a contribuição desses grandes homens para o desenvolvimento de toda a civilização, é algo surpreendente que se encontra presente em todas as áreas da sociedade e ramos da ciência.

Definitivamente a fé e a razão não são arqui-inimigas, mas sim coirmãs.

Conforme bem mencionou o escritor mexicano, Doménico Cieri: “A razão e a fé são as duas margens do mesmo rio”. Por essa razão, ainda hoje é muito comum encontrar uma escola ao lado de uma catedral e não é por acaso que as maiores universidades do mundo surgiram justamente dentro dos templos cristãos.

*O presente artigo contém trechos do livro: “O valor da teologia” (2019) – Pr. Sidnei Ferreira.

Casado com a nutricionista Vanessa Cristina Ferreira. Pai de Sidnei Gabriel Ferreira e Sarah Cristina Ferreira. Formado em teologia, filosofia, administração, pós-graduado em filosofia (UFBA) e Mestre em Teologia pela (FCU - USA). Pastor, professor, palestrante e escritor. Um cristão, salvo pela graça e servo pelo amor.

Continua depois da publicidade