Siga-nos!

Internacional

China obriga igrejas a substituírem Dez Mandamentos por citações de Xi Jinping

Governo tem autoridade sobre as igrejas Three-Self e os templos que não aceitarem a regra são fechados

em

Citações de Xi Jinping na Igreja; (Foto: Bitter Winter)

As igrejas da província central de Henan, na China, foram forçadas a substituir os Dez Mandamentos por citações do presidente Xi Jinping em mais uma clara tentativa do governo comunista em interferir na fé.

Segundo a revista de direitos humanos Bitter Winter, quase todas as igrejas da Three-Self e locais de reunião no município de Louyang foram forçadas a fazerem a alteração.

Os termos inclusos nos espaços de culto são frases como “Os valores socialistas centrais e a cultura chinesa ajudarão a imergir várias religiões da China”.

“Apoiar a comunidade religiosa na interpretação de pensamentos, doutrinas e ensinamentos religiosos de uma maneira que esteja de acordo com as necessidades do progresso dos tempos. Resolutamente, proteja-se da infiltração da ideologia ocidental e conscientemente resista à influência do pensamento extremista”, diz outro trecho.

Desobedecer as ordens é visto como se opor ao Partido Comunista e as igrejas que se negaram a fazer a mudança foram fechadas, muitas outras foram ameaçadas de serem incluídas na lista negra do governo, segundo fonte anônima da revista.

“O primeiro passo do governo é proibir dísticos religiosos. Em seguida, desmonta as cruzes e começa a implementar os ‘quatro requisitos’, ordenando que a bandeira nacional e os ‘valores socialistas centrais’ sejam colocados nas igrejas”, disse o pastor.

“Câmeras de vigilância para monitorar os fiéis e atividades religiosas são então instaladas. O último passo é substituir os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping”, declarou o religioso.

“O objetivo final do Partido Comunista é ‘tornar-se Deus’. Isso é o que o diabo sempre fez”, acrescentou o pastor em entrevista ao site da ONG Bitter Winter.

Outra fonte também criticou as autoridades chinesas: “A China é uma ditadura de partido único. As pessoas só podem obedecer ao Partido Comunista e ser controladas por ele”.

Essa não foi a primeira vez que o governo ordena a remoção dos Dez Mandamentos, em novembro do ano passado as autoridades ordenaram que igrejas do condado de Luoyang retirassem a inscrição bíblica.

A campanha da China para sinicizar a religião teve origem em um discurso de Xi na Conferência Nacional de Trabalho Religioso, em abril de 2016.

Na época, Xi afirmou que, para “orientar ativamente a adaptação das religiões à sociedade socialista, uma tarefa importante é apoiar as religiões da China”.

No início de setembro, foi relatado que funcionários do governo chinês exigiram que o clero afiliado ao Movimento Patriótico das Three-Self na cidade de Yuzhou baseasse seus sermões em um novo livro que combina ensinamentos bíblicos com os ensinamentos de Confúcio.

Publicidade