Siga-nos!

Israel

Cerca de 350 mil pessoas visitam as ruínas da “Cidade de Davi” em Jerusalém todos os anos

A aproximação de dados históricos com as narrativas bíblicas tem atraído cada vez mais turistas para a região

Publicado

em



Quem visita a cidade de Jerusalém também tem o prazer de conhecer a Cidade de Davi, as ruínas que ficam do lado de fora das muralhas mostram dados históricos e bíblicos que atraem cerca de 350 mil pessoas todos os anos.

“Quando explicamos que, de fato, a cidade original está fora das muralhas da cidade antiga, as pessoas se surpreendem. Não conseguem acreditar. E quando chegam neste lugar se dão conta que este sítio é 1850 anos mais antigo que a hoje chamada de ‘cidade antiga’. Os visitantes saem do mundo atual e então retrocedem no tempo”, conta Doron Spielman da Fundação Cidade de Davi.

Hoje os peregrinos que visitam Jerusalém podem seguir os passos do rei Davi, dos profetas e até mesmo os de Jesus na Cidade de Davi. “Os descobrimentos na Cidade de Davi permitem seguir a Bíblia linha por linha e reviver as cenas”, diz Spielman.

O diretor compara a cidade com a Disney, mas ao contrário do “mundo da fantasia” as cenas da Cidade de Davi são reais. “Isto é bíblico, é real. Você pode tocas as pedras, tocar o texto. E pode ver os personagens na sua frente, Davi caminha contigo neste tour”, diz.

A guia turística Miryam Berzowitz, faz questão de dizer que é nesse ponto de Israel que tudo começou. “Esta é a Jerusalém Original. Aqui começou tudo. O que você lê de Jerusalém na Bíblia está aqui”.

Quem caminha pela verdadeira cidade antiga consegue até mesmo fazer o caminho que o cego que foi curado por Jesus fez até o Tanque de Siloé. O tanque foi mencionado duas vezes nas Escrituras, uma em Neemias, quando diz que o muro do tanque foi restaurado e outra em João capítulo nove. “Simplesmente posso ver que ele caminhava por aqui. Não há outro caminho do tanque de Siloé ao monte do templo. Essa é a via. Não creio que ele dera a volta na cidade, seguramente tomou o atalho e este é o caminho”, disse Ronnie Reich da Universidade de Haifa.



Publicidade
Publicidade