Siga-nos!

Mundo Cristão

Casal cuidou de mais de 170 bebês que seriam abortados

Foram 36 anos de trabalho e dedicação para fazer a diferença na vida de muitas pessoas

em

Burrell Lankford. (Foto: Reprodução)

Mais de 170 bebês que seriam abortados foram cuidados pelo casal Burrell e Leanna Lankford, moradores de Austin, Texas (EUA), que fizeram de suas casas um abrigo até que esses bebês fosse adotados.

A história do casal foi contada em um programa da KUT-FM no quadro “Hi, Who Are You?”, após um vizinho de Burrell visitá-lo e encontrar a foto de centenas de bebês espalhadas pela casa.

Viúvo há 5 anos, Burrell, 77 anos contou que a ideia de trazer os bebês para casa foi de sua esposa que demonstrou o desejo de ser mãe adotiva temporária, cuidado dos recém-nascidos até que eles fossem adotados legalmente.

De janeiro de 1976 a 2012 passaram pela casa dos Lankford 173 bebês. Burrell trabalhava e sua esposa ficava em casa cuidado dos dois filhos e também dos bebês. “Você tem que dar todo o crédito para as mães adotivas. No meu caso, trabalhei durante o dia. [Minha esposa estava] aqui o dia todo, trabalhando com os bebês”, revelou o idoso.

Houve várias vezes, na verdade, a família teve três bebês ao mesmo tempo. “Nós tínhamos uma fileira de assentos de carro no banco de trás”, lembrou ele. “Eventualmente, nós temos uma van. Isso facilitou o transporte desses três assentos de carro”.

Apesar da dedicação e do compromisso que a família toda assumiu, houve momentos difíceis, como quando os bebês que chegavam eram filhos de mãe usuárias de drogas e nasceram dependentes químicos.

Outro desafio da família era se despedir das crianças, principalmente dos bebês que ficam por mais tempo até que fossem adotados.

“Nosso primeiro bebê a longo prazo, quando o bebê foi embora, foi difícil para todos nós da família”, disse Lankford. “Isso dói. Quer dizer, você se prepara tanto, depois se encarrega de cuidar desse bebê, se apega a ele e então ele se foi, ela se foi”, relatou.

Burrell também contou que sonhava que sua esposa quisesse adotar todas as crianças que chegassem em casa e ele tinha a visão de dirigir um grande ônibus escolar.

Ao relembrar desses 36 anos de trabalho e da dedicação de sua esposa, o idoso declarou que espera ter feito a diferença na vida dos bebês. “Não sabemos se realmente fizemos, mas esperamos que sim”, declarou.