Siga-nos!

Opinião

Carta aberta de um eleitor ao senador Flávio Bolsonaro

Seu trabalho no Congresso é pelo seu eleitor ou temos interesses maiores em jogo?

Maycson Rodrigues

em

Flávio Bolsonaro. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil)

Caro Senador,

Votei no senhor nas últimas eleições de 2018 com a expectativa de que sua atuação no Senado Federal nos ajudaria a encontrarmos caminhos de transformação social e moralização do poder Legislativo.

Vi em sua figura e na figura de seu pai uma proposição de mudanças concretas, ainda que reconheça a lentidão dos processos democráticos no que tange a transformações sociais. Tudo deve ser amplamente debatido, com ritos institucionais sendo cumpridos e a busca pela maioria nas votações e aprovações sendo efetivada.

No entanto, após as acusações via imprensa de que o senhor estaria envolvido num esquema de “rachadinhas” na Alerj – juntamente com outros vereadores, inclusive do PT e o marido do jornalista Verdevaldo –, pude perceber um recuo, um silenciamento de sua parte que obviamente me incomodou.

Sempre darei o benefício da dúvida a todo cidadão, em especial a quem depositei meu voto de confiança; porém, jamais passarei pano quando a coisa ficar mal explicada ou claramente dando sinais de “vamos colocar por debaixo do tapete”. Isso não, Senador!

O senhor disse que é contra a CPI da Lava Toga. Ok. Já perguntou ao seu eleitorado?

Seu trabalho no Congresso é pelo seu eleitor ou temos interesses maiores em jogo?

São perguntas honestas que carecem de respostas sinceras.

O argumento utilizado em entrevista recente (inconstitucionalidade) é claramente fraco e fácil de ser refutado. CPI (Comissão de Inquérito Parlamentar) é um dispositivo legal que possui conexão com a realidade no cenário político atual e deve ser um meio democrático de se colocar na mesa o que de fato está acontecendo com estes que devem ser não só fiscalizados, como também investigados.

A questão é “inquirir”. É trazer à luz, levantar os fatos e tornar de conhecimento da população como um todo, até para que futuras medidas dentro das possibilidades democráticas sejam tomadas – ou não.

Se não há uma relação de tensão entre os poderes da República, o que temos é uma “República da Impunidade”. E eu não votei no senhor para que participasses disso.

O STF, pela Constituição ultrapassada (mas em plena vigência) de 88, tem sempre a palavra final. Só que, na mesma Constituição, o Senado fiscaliza o trabalho do STF e pode até mesmo aprovar um impeachment de um ministro, ou do presidente da casa.

E estamos num momento em que não é apenas a Reforma Previdenciária que está sob risco ou a economia do País, mas também o efetivo combate à corrupção. Estamos num momento em que os políticos precisam mostrar a sua coragem de enfrentar a impunidade, a não ser que estejam envolvidos no esquema e tenham feito algum “acordão” para livrarem a própria cara, com o perdão da expressão.

Espero que o senhor simplesmente assine a CPI da Lava Toga e peça para ser investigado no caso Queiroz. Se não há riscos de ser condenado, aceite tanto a sua quanto a investigação do prezado ministro Dias Toffoli. Caso contrário, eu serei o primeiro a boicotar a sua campanha em 2022 e ajudarei para que a pressão popular contra o seu gabinete aumente.

Confio nas Instituições e acredito que a democracia é o melhor caminho, mas jamais colocarei confiança total num político.

Endereço ao senhor esta carta para lhe dizer que estou fiscalizando o seu trabalho e, neste momento, o senhor está decepcionando milhões de cariocas que depositaram, pelo voto, confiança em sua candidatura.

Só que ainda há tempo para mudar. Faça o que é certo! Fique ao lado da verdade, pois, contra ela, nada podemos.

Lembre-se de duas coisas: o slogan de campanha do seu pai e o versículo bíblico que dá base para sua maneira de fazer política.

O slogan é “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos” e não “Bolsonaro acima de tudo (…)”.

E o versículo bíblico é: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32).

Que Deus abençoe o Brasil. CPI da Lava Toga já!

Casado com Ana Talita, seminarista e colunista no site Gospel Prime. É pregador do evangelho, palestrante para família e casais, compositor, escritor, músico, serve no ministério dos adolescentes e dos homens da Betânia Igreja Batista (Sulacap - RJ) e no ministério paraeclesiástico chamado Entre Jovens. Em 2016, publicou um livro intitulado “Aos maridos: princípios do casamento para quem deseja ouvir”.

Publicidade