Siga-nos!

Política

Bolsonaro diz que “Michelle está arrasada” com exposição de sua família

Presidente questionou “ganho jornalístico” com exposição do passado da família da esposa.

em

“Michelle está arrasada” com exposição de sua família
Jair Bolsonaro e Michelle Bolsonaro durante culto (Foto: PR/Isac Nóbrega)

O presidente Jair Bolsonaro criticou na última sexta-feira (16) a postura da imprensa diante da exposição indevida de questões familiares antigas, relacionada a primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Bolsonaro disse que Michelle está arrasada e abatida devido a publicação de histórias envolvendo sua família, questionando o “ganho jornalístico” com a divulgação das informações.

As reportagens foram publicadas pela revista Veja, expondo o passado da avó da primeira-dama, que foi presa por tráfico de drogas, além de dois tios maternos que enfrentam problemas com a polícia.

O presidente reconheceu que as informações são verdadeiras, mas questionou o objetivo da exposição negativa dos parentes de sua esposa.

“Quem ganha com isso? Para que esculachar a minha esposa e dizer que ela não tem legitimidade para fazer o trabalho social que ela faz? Ela está abatida, arrasada, para que isso?”, questionou o presidente.

Maria Aparecida, avó de Michelle, foi presa em flagrante por tráfico de drogas, quando tinha 55 anos, portanto pacotes de merla, um subproduto da cocaína.

Essa descoberta foi suficiente para a Veja passar a questionar a legitimidade da primeira-dama em promover trabalhos sociais.

A avó da primeira-dama deixou a penitenciária em 1999, sob liberdade condicional, após cumprir dois anos e dois meses de prisão.

Segundo reportagem da Veja, que teve acesso a documentos da 1ª Vara de Entorpecentes e Contravenções Penais do Distrito Federal, ela também teria sido acusada de subornar um agente para que a levasse para casa quando cumpria a prisão em uma penitenciária do Gama, região do Distrito Federal.

A revista também atacou a mãe de Michelle, Maria das Graças, revelando que ela foi acusada de falsidade ideológica, pois tinha dois registros civis, sendo um falso e um verdadeiro.

Ela foi investigada pela Delegacia de Falsificações e Defraudações de Brasília e indiciada pela Justiça, mas o crime prescreveu e o processo foi arquivado, de acordo com a publicação.

Publicidade