Siga-nos!

Mundo Cristão

“Bispo voador” leva o amor de Deus através de um ultraleve

Missionário visita igrejas, hospitais e escolas de pequenas comunidades isoladas

Publicado

em

Dom Luciano Capelli


Na cidade de Gizo, em Ilhas de Salomão, país situado no Oceano Pacífico, Luciano Capelli é conhecido como “bispo voador”. Isso porque visita comunidades carentes da igreja para levar alimento e medicação através de um ultraleve.

Capelli foi missionário nas Filipinas por 35 anos. Ele chegou à Gizo em outubro de 2007, depois que um terremoto arrasou o local, destruindo muitas casas e igrejas. “Minha primeira tarefa foi incentivar as pessoas a reconstruir a catedral, as sete igrejas e as doze escolas”, contou.

Conforme o ACI Digital, a igreja em Gizo está espalhada em cerca de 40 ilhas com uma população total de 120 mil habitantes. Destes, 15% são cristãos (por volta de 18 mil). Para visitar essas pessoas, o bispo fez um curso de piloto e recebeu apoio financeiro da Conferência Episcopal Italiana (CEI), que também comprou uma aeronave para ele.

Pilotando desde 2011, visita hospitais, escolas e comunidades para levar o amor de Deus e também entregar remédios e produtos essenciais. “Faço isso com grande satisfação porque sei que estou preenchendo o vazio que há dentro dessas pessoas”, revelou.

Depois explicou que o maior problema é que as pequenas comunidades vivem isoladas. “Isso só se resolve com a presença. Mas para estar presente nesses lugares de difícil acesso, preciso de um meio que me leve até lá”, explicou. Através de seu pequeno ultraleve, Capelli visita cada ilha de três a cinco vezes por ano.

Em outubro de 2018, o bispo decidiu enviar dois padres para serem treinados na Itália. “É difícil ficar sem eles aqui, mas creio que é preciso prepará-los para essa missão”, disse. “Creio ainda que o Senhor enviará mais vocacionados para essa missão que requer eficácia e coragem”, continuou.

O bispo contou que está trabalhando duro para que haja mais jovens líderes para esse tipo de trabalho. “Eu não tenho medo. Esse trabalho com as comunidades nos encoraja a sermos cada vez mais ousados”, concluiu.



Publicidade
Publicidade