Siga-nos!

Mundo Cristão

Bispo relaciona queda da frequência nos cultos à depressão de pastores

Global United Fellowship une igrejas e cuida de pastores.

em

Igreja com espaços vazios. (Foto: Keystone)

Nesta terça-feira (9) começará a Global United Fellowship (GUF) no Atlantis Resort, em Bahamas, onde líderes religiosos de diversas denominações estarão reunidos até a próxima sexta (12), participando de ministrações e palestras.

Um dos temas principais desse encontro, coordenado pelo bispo Dom Neil C. Ellis, será a queda do número de membros nas igrejas e o aumento da depressão entre pastores. Para o responsável pelo evento, esses dois assuntos estão relacionados.

“Primeiro de tudo, temos que proteger as emoções dos nossos líderes da igreja. Houve um diclínio global na frequência à igreja nos últimos cinco ou sete anos. E assim, muitos pastores agora estão ficando deprimidos porque seus números são menores”, declarou Ellis ao The Christian Post.

Na visão do bispo, para que uma igreja seja saudável ela não precisa ser grande. “Tudo que é grande não é maduro. E tudo que é cultivado não está totalmente desenvolvido”, declarou o religioso. “Temos que nos certificar de que mais e mais pastores não estejam se tornando deprimidos porque estão vendo um declínio”, completou.

Líder da Igreja Batista Mount Tabor, nas Bahamas, o bispo Ellis lançou em 2013 o Global United Fellowship, um grupo que começou com 41 igrejas e hoje conta com 1.400 denominações de 42 países.

Ao comentar sobre o crescimento dessa irmandade, Ellis acredita que é pelo fato da maioria dos pastores não terem um pastor e sentirem a necessidade desse tipo de relação.

“Muitos deles me veem como pastor de pastor. E muitos deles ao longo dos anos não tiveram realmente um pastor. Eles estão pastoreando sem um pastor. E assim como esses caras amadurecem e se tornam mais velhos e mais sábios nas coisas de Deus, eles estão começando a reconhecer que eles não podem fazer isso sozinhos”, explicou.

O objetivo da GUF é unir igrejas, equipar líderes, melhorar casamentos, ressuscitar a disciplina da oração e construir relações de alianças entre líderes religiosos.

“Há muitos pastores no ministério que são pessoas muito solitárias. Eles podem estar fazendo um bom trabalho, eles podem estar pastoreando uma grande igreja, mas são solitários”, declarou o bispo.