Siga-nos!

Internacional

Doutores argentinos opõem-se ao aborto: “somos médicos, não assassinos”

Senado da Argentina decide se irá legalizar aborto até as primeiras 14 semanas de gravidez

Publicado

em

Médicos protestam
Publicidade

Médicos argentinos se posicionaram afirmando que preferem ir para a prisão a realizar abortos. Centenas deles se organizaram em protestos às vésperas da votação no Senado sobre o projeto de legalização do aborto, dia 8 de agosto.

Juntamente com manifestantes pró-vida, muitos doutores tomaram as ruas levantando cartazes com a frase: “somos médicos, não assassinos”.

De acordo com a Academia Argentina de Medicina “destruir um embrião humano significa impedir o nascimento de uma pessoa”. Autoridades de cerca de 300 hospitais privados e centros médicos denunciaram a legislação que já foi aprovada pela Câmara dos Deputados.

O país já permite o aborto em casos de estupro ou riscos para a saúde da mulher. Agora, os defensores do projeto querem legalizar o aborto até as primeiras 14 semanas de gravidez, alegando que isso reduziria as mortes entre as mulheres. Os hospitais privados se opõem porque a lei não permite que eles escolham não realizar abortos.

“Os médicos não podem trabalhar sob a ameaça de ir para a prisão”, disse Maria de los Angeles Carmona, chefe de ginecologia do Hospital Estadual de Eva Perón. Há também uma preocupação de que outros aspectos confusos da lei os tornem vulneráveis ​​a processos e perseguição por suas crenças.

Críticos, como a Federação Argentina de Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia, dizem estar preocupados com a possibilidade de que os médicos que se recusarem a realizar abortos por motivos morais sofram discriminação profissional.

Publicidade

“Até onde estamos dispostos a ir? À prisão”, assegurou Ernesto Beruti, chefe de obstetrícia do Hospital Universitário Austral. “Mesmo que a lei seja aprovada, não eliminarei a vida de um ser humano, o direito mais importante é o direito de viver”, conclui. Com informações CBN News