Siga-nos!

Sociedade

Após pressão popular, Feira do Livro de SC cancela participação de Miriam Leitão

Populares prometiam receber convidados com ovadas. Ideologia motivou protestos.

Michael Caceres

em

Miriam Leitão. (Foto: Reprodução / Globo News)

A organização da 13ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, cancelou a participação da jornalista Miriam Leitão no evento. A decisão foi tomada devido a pedidos da população para que a participação dela fosse cancelada por conta de sua ideológica.

Miriam Leitão faria uma palestra na feira no próximo dia 15 de agosto, mas a presença dela não agradou e um dia após o anúncio a presença foi cancelada.

Segundo a organização, populares ligaram, prepararam um abaixo-assinado e pressionaram contra a presença da jornalista da Rede Globo.

A petição reuniu mais de 3 mil assinaturas e foi encaminhada para à organização, o que acabou levando ao cancelamento da participação de Miriam e do sociólogo Sérgio Abranches. O documento especifica em um dos trechos: “Por seu viés ideológico e posicionamento, a população jaraguaense repudia sua presença, requerendo, assim, que a mesma não se faça presente em evento tão importante em nossa cidade”.

Os organizadores dizem que Miriam Leitão falaria sobre a formação de escritores e sobre seus livros. Ela comentou o repúdio ao jornal O Globo, afirmando que “a intolerância foi mais forte”, lamentando não poder palestrar no evento na cidade catarinense.

“Nós fomos convidados, Sergio e eu, para falar da nossa formação como escritores, dos nossos livros e dos livros que nos marcaram. A mesa ‘Biblioteca afetiva’ nos entusiasmou: iríamos falar do que amamos tanto. Infelizmente, a intolerância foi mais forte, desta vez. Mas o livro sempre vencerá”, afirmou.

João Chiodini, coordenador geral da feira, disse que a decisão de desconvidar a jornalista e o sociólogo foi tomada “com vergonha”, porém teria sido tomada “para garantir a segurança dos convidados”.

Ele disse ter recebido ligações, mensagens e comentários nas redes sociais, alguns com ameaças de que os convidados seriam recebidos com ovadas.

“Logo depois que anunciamos (os nomes), recebi ligações, mensagens e comentários nas redes dizendo que os dois seriam recebidos com ovadas. É a primeira vez que isso acontece em 12 anos de evento”, disse Chiodini.

Publicidade