Siga-nos!

Sociedade

Advogado diz que Igreja Maranata quer iludir fiéis com ação judicial

O profissional diz que a auditoria que está sendo realizada aponta apenas 10% do valor processado

em

De acordo com Leonardo Schuler, advogado de defesa de ex-membros da Igreja Maranata, os líderes da instituição estariam mentindo ao abrirem um processo na Justiça do Espírito Santo alegando que o ex-vice-presidente e um contador teriam desviados mais de R$20 milhões dos dízimos.

Para o profissional tal acusação “é uma forma de ludibriar os fiéis” já que a própria instituição abriu uma investigação que gerou uma auditoria externa ainda não concluída para verificar o desvio de R$ 2 milhões. Ou seja, apenas 10% do valor denunciado pelos líderes da igreja. ”Causa muita estranheza pedir R$ 2 milhões e processar apenas duas pessoas, quando há todo um sistema”, conta o advogado.

Apesar das acusações os ex-membros, que são representados por Schuler, não pretendem entrar com processo contra a denominação, apenas querem esclarecimentos sobre o processo movido contra o ex-vice presidente e contra um contador. “Não vamos tomar nenhuma medida, fazemos isso apenas para dar satisfação ao público. Além de dízimos doados, são vidas dedicadas à igreja. Vamos fiscalizar a Justiça e esperamos que eles apurem mais profundamente essa situação”, informa o advogado.

No domingo as notícias sobre o processo aberto pela denominação contra três pastores e um contador ganharam destaque na mídia e dividiram opiniões entre os frequentadores da denominação fundada há 43 anos, hoje com 5,5 mil templos espalhados pelo Brasil.

Na acusação consta um esquema de desvio de dízimos que eram destinados à criação de empresa irregular, contrabando, além de fraudes ao Fisco e ao sistema financeiro. O Ministério Público foi acionado para investigar o caso e as auditorias externas também continuarão até que novas provas e documentos sejam encontrados.

Um ex-membro que não se identificou falou sobre o tema para a reportagem do G1. “Lá não se pode questionar nada. O pastor que saiu, saiu porque questionou o presidente acerca do desvio e foi afastado de todos os cargos. Está havendo cobertura da atual presidência, apesar do processo que corre em juízo e do procedimento administrativo aberto por eles mesmos”, relata.

Com informações G1

Publicidade