Siga-nos!

Opinião

A sede da alma por Deus 

A sede da alma só poderá ser saciada através de um relacionamento genuíno com Deus

Avatar

em

Jesus estava na Festa dos Tabernáculos, a mais festejada festa dos judeus. No auge da festa, Jesus levantou-se entre a multidão e exclamou: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, com diz as escrituras, do seu interior fluirão rios de água viva” (Jo 7.37-38).  Jesus estava-lhes oferecendo a água que é incapaz de saciar a sede física, porém capaz de saciar a sede da alma por Deus.

F.F. Bruce anota que a sede mais profunda da alma é pelo próprio Deus, que nos fez de maneira a nunca estarmos satisfeitos sem ele. Assinala R.N. Champlin que a alma reconhece institivamente que está destinada a habitar num nível superior e, apesar das realizações e dos prazeres desse mundo poderem ser parcialmente satisfatórias, somente na pessoa de Deus é que há verdadeira satisfação para a alma.

Muitos são os que buscam saciar a sede da alma em dinheiro, sexo, drogas, fama, poder e em outras coisas mais. Desfrutam apenas uma saciedade momentânea. A saciedade plena da alma não é encontrada nas coisas deste nosso mundo, materialista e edomita. A sede da alma só poderá ser saciada através de um relacionamento genuíno com Deus, mediante a submissão ao senhorio do Senhor Jesus Cristo.

Sua alma está enfraquecida, sua religião não tem saciado o teu vazio existencial.  A religião é incapaz de saciar plenamente a alma. É preciso beber da água chamada Jesus Cristo. Necessário é um relacionamento com Cristo por meio da obediência aos seus preceitos. Sem Jesus, não passaremos de criaturas incompletas. Precisamos beber de Cristo para sermos criaturas modificadas para a gloria de Deus.

Para bebermos da fonte de Jesus, precisamos ter convicção de pecados, e arrependimento, como escreveu o profeta Isaías: “Somos como o impuro – Todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como vento as nossas iniquidades nos levam para longe” (Is. 64:6). Portanto, em razão de nossa malignidade, necessitamos beber da fonte de Jesus, para preencher o vazio de nossas almas.

Publicidade