Siga-nos!

Vida cristã

“A igreja não está de férias, está de plantão”, afirma apóstolo

Luiz Hermínio fala sobre como a igreja deve se mover e o que Deus está dizendo em meio à pandemia.

Neto Gregório

em

Luiz Hermínio. (Foto: Reprodução / Facebook)

Continuando a nossa série de entrevistas com líderes e pastores de diversas denominações para entender o momento que estamos vivendo, como a igreja deve se portar e o que Deus está dizendo ao mundo, conversamos com o apóstolo Luiz Hermínio dos Santos.

Luiz é casado com Iraci Ferretti Santos e tem quatro filhos. É pastor sênior da igreja Missões Evangelísticas Vinde Amados Meus (Mevam), com sede em Itajaí (SC). Desenvolve um ministério apostólicos às nações e possui 24 livros escritos, entre eles, 40 Dias com Ele no Deserto e Removendo as Raízes da Carência.

Hermínio afirma que o papel da igreja nesse momento é “fazer aquilo que as Escrituras dizem”. “Já que nós não podemos ir ao templo – por estar fechado -, devemos ser igreja”, assevera e arremata: “a igreja não está de férias, ela está de plantão”.

“A igreja tem muito para fazer nesses dias”, diz. O pastor enfatiza que o maior trabalho da igreja sempre foi nas “regiões celestiais”, por isso, ela deve intensificar a “intercessão, adoração e a proclamação”.

O que podemos aprender?

O apóstolo afirma que muitas pessoas estão temerosas nesse momento, porque não estavam preparadas. Para ele, isso acontece porque “não ouviram as Escrituras”. “Infelizmente, tem pastores que não ensinam corretamente as Escrituras sobre a volta de Cristo”, alerta.

O teólogo cita o verso 13 do capítulo 13 de 1 Coríntios e destaca três conceitos que devem ser caros para os cristãos: fé, esperança e amor. “Fé naquilo que Deus disse e fez e esperança naquilo que vai fazer, para poder viver em amor”, ensina.

“A igreja tem que ser profética”, observa. “Ou é profética ou é patética”, exclama. O pastor explica que igreja patética é aquela que só trabalha para si, “só para fazer culto”. “A igreja tem que trabalhar para a volta de Jesus”.

O pastor lamenta que há muitas pessoas sendo “preparadas para enriquecer e viver o momento, mas não para viver o futuro”. Para conquistar, mas não para renunciar. “Não é de autoajuda que precisamos agora, é de ajuda do alto. Precisamos preparar as pessoas com profecias, não com frases de efeito”, assevera.

O que se modificará?

“Nunca mais voltaremos ao ‘normal'”, afirma.

Hermínio cita o capítulo 12 de Hebreus e traça um paralelo com o momento: “A voz do Senhor vai abalar os céus e a Terra, para que o abalável seja removido e o inabalável permaneça”.

“A igreja permaneceu de pé nas arenas de Roma, nas perseguições, ela sempre permanecerá!”, relembra, mas alerta que precisamos estar “firmados em Jesus, uma igreja cristocêntrica, não antropocêntrica”, onde “Jesus é o centro, fundamento e a esperança”.

Luiz Hermínio. (Foto: Reprodução / Facebook)

Estamos preparados?

“Quanto mais humanos formos agora, mas expressaremos a nossa espiritualidade”, diz. O pastor acredita que o fundamento do evangelho que vivemos hoje será posto à prova. “Será que estamos fundamentados em amor e generosidade? Será que estamos dispostos a fazer aquilo que Jesus pediu? Dar a nossa vida pelo próximo?”, questiona.

O pastor lembra a simplicidade de Cristo e enfatiza a acessibilidade que o mestre de Nazaré demonstrava. “Jesus andava no meio das pessoas, do leproso, da prostituta”, sublinha. “Jesus era tão parecido com ‘gente’ que Judas precisou dar um beijo nele para diferenciá-lo”, contextualiza.

“Essa é a pergunta que cada um deve fazer a si mesmo: onde estou firmado, que evangelho eu creio e se estou pronto para esses dias”, afirma.

O que Deus está dizendo?

“Eu estou parando vocês. Eu quero que vocês parem de funcionar e voltem a fluir”, afirma.

“Volte a fluir a partir do meu amor, não da sua capacidade. Da fé, não da sua autoconfiança. Da minha justiça, não da sua justiça própria. Estendendo a mão, não apontando o dedo”, complementa.

Para o apóstolo, Deus está “nos parando” para que Ele volte a nos governar. “Ele sempre quis o coração do homem – filho meu dá-me o teu coração -. Ele nunca buscou nosso serviço”, assevera.

“Primeiro Ele chamou os apóstolos para estar com ele, depois os enviou para pregar o evangelho”, ensina e explica que Deus não nos chamou para trabalhar para Ele, mas para estar com Ele. “Deus parou o serviço para nos trazer de volta ao relacionamento”.

Conclui dizendo que Deus “age no invisível”, porque é ali que “habita o possível”. “O impossível está diante dos nossos olhos, mas Deus atua no invisível”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trending