Siga-nos!

Internacional

102 igrejas foram destruídas por muçulmanos na Nigéria

Governo se mostra incapaz de defender os cristãos

Publicado

em



A região central da Nigéria é palco de ataques cada vez mais constantes contra os cristãos por parte dos muçulmanos. Um relatório recente dá conta que com a ascensão do grupo extremista Boko Haram, nos últimos três anos 826 cristãos foram mortos e 878 ficaram feridos após ataque. Além disso, 102 igrejas foram destruídas ou vandalizadas. Some-se a essa conta 787 casas foram destruídas, 9 lojas e 32 carros e motocicletas.

O Estado de Nasarawa é a região mais atingida, com cerca de 21.000 cristãos decidindo abandonar suas casas para fugir da perseguição. Devido a difícil situação, as instituições que fazem os levantamentos acreditam que os números da perseguição são muito maiores, contudo registram apenas o que é reconhecido pelo governo. Estima-se que na realidade o número de mortos seja mais que o dobro.

Outro fator que impede um diagnóstico mais claro da situação é o crescimento dos ataques realizados pelos pastores de gado da etnia Fulani, historicamente de maioria muçulmana. Seminômades, eles transitam pelo país e seus alvos preferenciais são os agricultores cristãos. Após matar, os pastores saqueiam as propriedades.

O relatório publicado este mês pela Rede de Análises de Conflitos e Segurança da Nigéria (NSCAN), comprova que há negligência do governo em resolver as questões de intolerância religiosa no país. Na maioria dos casos, o elemento religioso do conflito foi completamente minimizado ou excluído, tentando alegar que se tratam de conflitos meramente étnicos, uma constante em solo africano.

A incidência maior de conflitos na região central da Nigéria se explica por uma questão histórica. Na região norte a maioria da população é de muçulmanos, enquanto o sul é majoritariamente cristão. Já ocorreram tentativas de separar o país em dois por causa da questão religiosa. A Nigéria é o país mais populoso do continente africano, com cerca de 175 milhões de habitantes. Oficialmente, 50,8% dos nigerianos seguem a fé cristã.

A consolidação do poder dos extremistas do Boko Haram no norte culminou com sua tentativa de constituir um califado nigeriano, após terem se aliado ao Estado Islâmico que tenta fazer o mesmo no Oriente Médio. Desde então as forças do governo simplesmente entregaram o controle da área para os islâmicos, em especial depois que o muçulmano Muhammadu Buhari assumiu a presidência em 2015.

Contudo, o NSCAN revela que os cristãos têm sido o alvo específico. Evidências sugerem que há um plano estratégico para atacar e perseguir grupos étnicos que são predominantemente cristãos. O relatório é o terceiro de uma série publicada pela World Watch Research. Com informações Christian Headlines



Publicidade
Publicidade